PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Veja os vereadores que foram a favor e contra o ‘kit-covid’

Ponta Grossa

14 de abril de 2021 21:36

Rodolpho Bowens


Relacionadas

Santa Mônica passa a ter Câmara de Desenvolvimento Econômico

Liga Acadêmica promove evento sobre Autocuidado

Santa Mônica terá Câmara de Desenvolvimento Econômico

Núcleos de estudos capacitam professores sobre violência
Laboratório de Análises Clínicas da UEPG inicia testes de covid
Academia de PG fica em terceiro lugar no ranking nacional
Ônibus voltam a circular nesta quinta em PG
Votação aconteceu na tarde desta quarta-feira (14). Foto: Divulgação/CMPG
PUBLICIDADE

Foram 12 votos favoráveis e cinco contrários; médicos terão autonomia para medicar os remédios para os pacientes, o que já vem acontecendo

A Câmara Municipal de Ponta Grossa (CMPG) aprovou, em primeira discussão, o Projeto de Lei (PL) 035/2021, o qual fala sobre a “disponibilização gratuita de kits de medicamentos para o tratamento precoce da covid-19 na rede SUS do Município de Ponta Grossa, durante o período de pandemia” da covid-19. A votação do PL aconteceu na tarde desta quarta-feira (14), na ‘Sessão Ordinária’ da Casa do Legislativo. Foram 12 votos favoráveis e cinco contrários.

Conheça abaixo quem foi a favor e contra o projeto:

 - Favoráveis: Adriana Jamier da Silva (SD); Daniel Anderson Fraccaro (PSD); Divonsir Pereira Antunes (PSD); Edelmar Pimentel (PSB); Ezequiel Marcos Ferreira Bueno (Avante); Felipe Ramon dos Passos (PSDB); Filipe Chociai (PV); Jairton Nicoluzzi (DEM); Jose Carlos Sahagoff Raad (PSL); Leandro Bianco (Republicanos); Leonilton Antonio Carneiro (PV); e Paulo Roberto Balansin (PSD).

- Contrários: Geraldo Stocco Filho (PSB); Izaías Salustiano (PSB); Joceméuri Corá Canto (PSC); Josiane Schade Kieras (PSOL); e Julio Francisco Schimanski Kuller (MDB).

Os vereadores Erick Camargo (PSDB) e Walter José de Souza (PRTB) não estavam presentes na sessão.

Discussões

Durante o bate-papo sobre a proposta de um possível tratamento precoce para a covid-19, os parlamentares puderam expor as suas ideias. O vereador Felipe Passos, por exemplo, disse ser a favor de vacinas, distanciamento social, uso de máscaras e “todos os medicamentos possíveis para evitarmos mortes”. Ele também afirmou que fizeram uma “demonização do nosso projeto”, ao se referir ao PL 035/2021.

Leandro Bianco, outro defensor da proposta, disse que “pessoas estão morrendo” e que “tem, sim, comprovação científica” dos medicamentos apresentados pelo projeto. Ele também lembrou de cidades, como Chapecó (SC), que incentivaram um possível tratamento precoce contra o coronavírus e que “praticamente zerou a UTI”. Até hoje (14), o município registrou 34.452 casos da covid-19, com 564 óbitos. Atualmente, há 112 pessoas em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) e são 33.466 recuperados do vírus, segundo o boletim municipal.

Geraldo Stocco, vereador contrário à ideia, disse que o “dinheiro deve ser investido em hospitais. Parcerias para contratar mais médicos, enfermeiros e UTIs. Destinar recursos nessas prioridades, não nesse tipo de tratamento”, disse durante a sessão. Josi do Coletivo, que também votou contra o projeto, citou órgãos de saúde nacionais e internacionais que afirmam não haver tratamento precoce para o coronavírus.

Doutor Zeca, que estava com covid e retornou hoje (14) para a Câmara, “temos que ter bastante cuidado, moderação e atenção na hora de medicar os remédios. Cada médico tem a sua consciência e terá o discernimento de fazer. Não obriga ninguém a receitar ou tomar”, explica o vereador, que votou a favor da proposta. Missionária Adriana, que também foi favorável ao PL, disse que as “pessoas precisam ter esses remédios ao alcance. Não tocaremos em dinheiro público. Sim para a vida”, afirma.

O parlamentar Izaías Salustiano votou contra a proposta e questionou os vereadores, autores do PL, sobre como funcionará o fornecimento dos medicamentos. “Aprovando o projeto, será obrigatório a disponibilização? O PL obriga o município a oferecer gratuitamente? Se a resposta for não, o PL é inócuo, pois os médicos já receitam”, finaliza.

PUBLICIDADE

Recomendados