PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Dia das Mães deve movimentar comércio de PG

Ponta Grossa

20 de abril de 2021 10:36

Igor Rosa


Relacionadas

Trabalhador sofre para chegar ao emprego em PG

Transporte coletivo de Ponta Grossa é 100% paralisado

SMCSP promove ação de doação de sangue e plasma

Greve acentua a crise no transporte público de PG
Probel Colchões tem ofertas especiais no mês das mães
Lojas poderão ter ‘Selo’ de local seguro contra a covid-19
Covid: PG registra mais dois óbitos e 127 infectados
O Dia das Mães é a segunda melhor data para o comércio. Foto: arquivo | aRede
PUBLICIDADE

Empresários mostram-se esperançosos com a retomada das vendas

São boas as expectativas de venda do comerciante paranaense para o Dia das Mães, segunda melhor data para o comércio. Em relação ao crescimento da economia, os empresários mostram-se preocupados, porém, esperançosos.

As informações são da Datacenso, empresa contratada pela Federação Paranaense das Associações Comerciais e Industriais do Paraná (Faciap) para medir a expectativa dos empresários do comércio paranaense neste período de vendas aquecidas. A equipe de pesquisadores ouviu 1.000 empresários das regiões de Curitiba, Londrina, Maringá, Cascavel, Guarapuava, Ponta Grossa e Francisco Beltrão, entre os dias 3 e 7 de abril de 2021.

Confiança

O Índice de Confiança do Comerciante, que avalia o estado de entusiasmo do lojista em relação à atual situação econômica do Brasil e à situação financeira dos clientes para os próximos seis meses, ficou em 125 pontos, numa escala de 0 a 200. Isso demonstra que os comerciantes estão confiantes na melhoria das vendas.

Expectativa da economia

Em relação ao rumo da economia e o cenário de vendas para os próximos meses, a maioria dos entrevistados (54%) também se mostra preocupada, porém com expectativas de melhora.

Paralisação na pandemia

A pesquisa Faciap mostra, também, que a maioria dos lojistas, em média 61%, afirmam que a pandemia continua afetando a vida do comerciante, sendo que 63% tiveram que fechar sua loja para cumprir protocolos de saúde.

Nesse período, os comerciantes se viram obrigados a se adaptar à nova realidade e, inclusive, investir no seu negócio para amenizar essa queda nas vendas. Grande parte deles (63%) investiu na contratação de entregadores/delivery, em comunicação e em vendas on-line.

Com assessoria. 

PUBLICIDADE

Recomendados