PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Aliel quer suspender portaria que permite supersalários

Ponta Grossa

07 de maio de 2021 17:40

Da Redação


Relacionadas

Colisão entre três carros assusta moradores de PG

Caminhão bitrem não vence subida e fecha rua no São José

Mulher que comoveu PG perde a luta para o câncer

Fórum de PG inicia Júri Popular do caso Luciane Ávila
Polícia Militar prende homem com drogas em beco de PG
MP pede à Câmara pôr em votação contas de Rangel e Jocelito
Recursos adicionais para a Saúde são aprovados na CMPG
Deputado federal Aliel Machado. Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Parlamentar apresentou projeto para revogar Portaria do Governo que permite que aposentados e militares recebam acima do teto

O deputado federal Aliel Machado (PSB) apresentou ontem, 06, um Projeto de Decreto Legislativo (PDL) para sustar os efeitos da Portaria 4.975, do Ministério da Economia, que altera o teto remuneratório previsto na Constituição Federal.  A portaria permite que aposentados e militares da reserva acumulem as suas aposentadorias e seus soldos com vencimentos de cargos em comissão de forma integral, ainda que a soma de suas remunerações ultrapasse o teto. Isso significa que ministros como Luiz Eduardo Ramos (Casa Civil) e Braga Netto (Defesa) recebam acima do teto constitucional, atualmente em R$ 39,2 mil.

De acordo com o deputado paranaense, a medida do Governo é ilegal e imoral. “O país atravessa a pior crise sanitária de sua história, também enfrenta uma crise econômica devastadora: são mais de 14,6 milhões de trabalhadores desempregados (14,5% da população) e mais de 27 milhões de brasileiros vivendo abaixo da linha da pobreza. É nesse cenário que o Governo propõe uma medida que irá custar mais de R$ 180 milhões aos cofres públicos, segundo estimativas”, questiona Aliel. 

Segundo o PDL proposto por Aliel, ao publicar a portaria, além de violar disposição constitucional sobre o teto remuneratório, o Governo feriu de morte o princípio constitucional da moralidade administrativa, que diz que a remuneração e o subsídio dos ocupantes de cargos, funções e empregos públicos da administração direta, autárquica e fundacional, dos membros de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, dos detentores de mandato, não pode exceder os subsídios mensais de referência. 

"Não restam dúvidas de que a medida adotada pelo Ministério da Economia viola o principio da moralidade administrativa e os supracitados dispositivos constitucionais. Pelo exposto, entendemos que a aprovação do nosso PDL é de inegável importância e relevância, sendo que rogamos o apoio de Vossas Excelência para tal finalidade”, defende o deputado.

Informações: Assessoria de Imprensa.

PUBLICIDADE

Recomendados