PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Câmara aprova atividade da advocacia como essencial

Ponta Grossa

10 de maio de 2021 22:00

Rodolpho Bowens


Relacionadas

PG ganhará órgão federal ligado ao Meio Ambiente

ICMBio abre processo seletivo para agentes ambientais

Vereadora apresenta denúncia ao MP sobre UPA Santa Paula

Câmara discute transparência no transporte público de PG
CPS projeta pavimentar 35 quadras no 2º semestre em PG
Lago de Olarias receberá áreas de esporte nos próximos dias
Obra de melhoria afeta abastecimento em bairros
Vereador Léo Farmacêutico (PV) é o autor do projeto de lei. Foto: Luiz Lacerda/CMPG
PUBLICIDADE

Projeto segue agora para a segunda discussão e, se aprovado, vai para sanção ou veto da Prefeitura

Os vereadores da cidade de Ponta Grossa aprovaram, nesta segunda-feira (10), o Projeto de Lei (PL) 021/2021 (clique aqui para ler na íntegra), tornando os serviços prestados por advogados privados e as sociedades de advogados como essenciais no município ponta-grossense, durante períodos de calamidade pública. A proposta é do parlamentar Leonilton Antonio Carneiro (PV), mais conhecido como ‘Léo Farmacêutico’. Agora, o PL segue para a segunda discussão e, se aprovado, vai para a sanção ou veto da Prefeitura Municipal de Ponta Grossa (PMPG).

De acordo com o projeto, fica assegurado o livre exercício da profissão de maneira presencial em períodos como os de agora, da pandemia da covid-19. Ainda segundo o texto aprovado, “poderá ser realizada a limitação do número de pessoas atendidas presencialmente nos escritórios, de acordo com a gravidade da situação”. O vereador Léo também lembra a Constituição Federal, em seu artigo 133, que fala sobre o serviço de advogado, sendo indispensável à administração da Justiça.

Durante a ‘Sessão Ordinária’, o vereador Izaías Salustiano (PSB) afirmou que “o acesso à Justiça é um direito fundamental. O serviço da advocacia está ligado com todas as áreas que precisam das atividades da advocacia, em menor e maior grau. Não estamos tratando somente da essencialidade, mas, sim, de representatividade. O acesso à Justiça deve ser respeitado”, ressaltou o parlamentar da Casa de Leis.

Contrários ao PL

Com 13 votos favoráveis e dois contrários, o PL não teve a aprovação unânime dos vereadores. Josiane Schade Kieras (PSOL) votou contra a aprovação do PL e lembrou que os profissionais já “trabalham em home office e os principais locais jurídicos já estão fazendo audiências remotas”, explicou a vereadora.

O parlamentar Erick Camargo (PSDB), mais conhecido como ‘Dr. Erick’, também votou contrário ao PL. Segundo ele, “todos os trabalhos são essenciais, mas isso (tornar o serviço da advocacia essencial) precisa ficar a cargo dos órgãos de saúde”, relatou na última ‘Sessão Ordinária’.

Além dos dois votos contrários, três vereadores estavam ausentes no momento da votação. São eles: Adriana Jamier da Silva (SD), Jose Carlos Sahagoff Raad (PSL) e Walter José de Souza (PRTB).

PUBLICIDADE

Recomendados