PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

PCdoB se manifesta contra o repasse de dinheiro à VCG

Ponta Grossa

16 de maio de 2021 16:15

Rodolpho Bowens


Relacionadas

Casa do Artesão realiza ação voltada ao Dia das Mães

Calçadão de PG recebe projeto 'OAB na Comunidade'

Esquadrilha da Fumaça se apresenta amanhã

Perseguição termina com acidente e homem preso em PG
Jovem morto a tiros no Londres é identificado em PG
Regulamentação do PDV será publicada na próxima semana
Lojas projetam movimento intenso neste sábado
Diretório Municipal de Ponta Grossa apresentou propostas sobre o possível repasse à VCG. Foto: Arquivo/aRede
PUBLICIDADE

Prefeitura de Ponta Grossa pretende indenizar concessionária com o repasse de R$ 1.718.363,37

O Partido Comunista do Brasil (PCdoB), por meio do Diretório Municipal de Ponta Grossa, emitiu uma nota de repúdio sobre o repasse de R$ 1.718.363,37 que a Prefeitura Municipal de Ponta Grossa (PMPG) pretende fazer para a Viação Campos Gerais (VCG), concessionária responsável pelo transporte público coletivo da cidade ponta-grossense. A destinação do dinheiro público seria uma indenização pelos 18 dias que a empresa não pode funcionar, em razão de decreto municipal de combate à covid-19.

De acordo com a nota, o PCdoB se manifesta contra o uso de dinheiro público para pagar “uma empresa monopolista que domina o setor do transporte coletivo”. Além disso, o partido solicita que os vereadores da Câmara Municipal de Ponta Grossa (CMPG) votem contra o Projeto de Lei (PL) 086/2021 (entenda a ideia aqui), o qual permite o repasse dos mais de R$ 1,7 milhão à VCG – para que a PMPG indenize a empresa, o Legislativo precisa autorizar o PL.

Por fim, a nota do PCdoB manifesta apoio a proposta do vereador Geraldo Stocco Filho (PSB), a qual pretende abrir uma CPI para investigar a Viação Campos Gerais (mais informações aqui). Confira abaixo as propostas do Diretório Municipal:

“1 - Manifesta-se contra o uso de dinheiro público com uma empresa monopolista que domina o setor do transporte coletivo no Estado do Paraná e pede a todos os vereadores e as vereadoras que votem contra a proposta enviada pela Prefeita Municipal Elizabeth Schmidt;

2 - Bom saber que a Prefeitura tem uma folga de caixa que lhe permite destinar cerca de R$ 1,7 milhão para uma empresa privada monopolista. Defendemos que depois de desaprovada na Câmara Municipal o recurso seja destinado a pandemia da covid-19. Pode-se usar na estrutura, na contratação emergencial de técnicos, compra de equipamentos ou mesmo usar para os setores mais afetados neste momento como o setor de eventos, bares, restaurantes, pequenos comércios ou mesmo dar um auxilio emergencial a população mais carente. Com R$ 1,7 milhão, poderíamos conceder R$ 250 a 1,7 mil famílias por quatro meses;

3 - O PCdoB de PG apoia a proposta do vereador Geraldo Stocco PSB de se criar uma Comissão Parlamentar de Inquérito sobre a Viação Campos Gerais. Precisamos passar em pratos limpos todas as informações sobre este processo. No mínimo precisamos saber como uma empresa monopolista deste tamanho não tem como pagar seus funcionários e funcionárias;

4 - Defendemos que desde já se abra o processo de debate, com ampla participação popular, da nova Concorrência Pública e do Novo Contrato de Concessão que leve a um Sistema sem monopólio, mais barato, mais amplo e mais justo socialmente;

5 - Aceitamos que em último caso os recursos sejam passados para a Viação Campos Gerais somente se for através de um empréstimo da municipalidade para empresa. Neste caso, propomos a criação do Fundo Retornável do Transporte da Cidade de Ponta Grossa. Esse Fundo, gerido pela Prefeitura Municipal, também poderia se destinar a outros investimentos como a qualificação dos trabalhadores e trabalhadoras, financiamento de estudos para o aperfeiçoamento do sistema (Estudo de Origem e Destino, Estudos para o Novo Sistema de Transporte, Estudos para uso de Novas Tecnologias de combustíveis ou de veículos), melhoria do Sistema de bilhetagem entre outras ações. Assim, a VCG emprestaria os recursos, pagaria seus funcionários e funcionárias, mas condicionado a devolver os recursos para capitalizar o fundo.

Transparência e cuidado com o dinheiro público é o que queremos.

Ponta Grossa, maio de 2021”.

PUBLICIDADE

Recomendados