PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Sindicalistas de PG são acusados por desvio de R$ 2 mi

Ponta Grossa

04 de junho de 2021 13:36

Da Redação


Relacionadas

Deputado Aliel anuncia novos recursos para PG e região

Mais de dois mil contribuintes já aderiram ao Nota PG

Servidores do Samu cobram prefeita Elizabeth na Câmara

Invest Paraná acompanha instalação de maltaria em PG
Distribuidora Coelho conta com mais de 35 mil itens em PG
PG inicia trâmites para aeroporto virar internacional
Balansin pede moção de aplauso para Sandro Alex
Denúncia contra os sindicalistas foi proposta pelo Ministério Público Foto: Arquivo JM
PUBLICIDADE

 João Vendelin é presidente e  José Vanílson é secretário-geral. Os dois foram denunciados pelo Ministério Público pelo desvio de mais de R$ 2 milhões do sindicato

 

A 3ª Vara Criminal de Ponta Grossa acatou denúncia do Ministério Público contra João Vendelin Kieltyka e José Vanílson Cordeiro, diretores do Sindicato dos Empregados do Comércio de Ponta Grossa.

Segundo manifestação do promotor Márcio Pinheiro Dantas Motta, “consta dos autos que desde a década de 90, os denunciados se alternam na diretoria do Sindicato dos Empregados do Comércio de Ponta Grossa, sendo que atualmente o denunciado João Vendelin é presidente do sindicato e o denunciado José Vanílson é secretário-geral, sendo que, no mínimo, desde 2008 os denunciados desviam e se apropriam de bens e valores do Sindicato, totalizando no período, somente de desvios movimentados em contas bancárias de titularidade deles a quantia de R$ 2.413.434,13 (dois milhões, quatrocentos e 13 mil, quatrocentos e trinta e quatro reais, e treze centavos). Consta ainda que está designada eleição para 24/06/2021 e que os denunciados participarão do pleito, objetivando a permanência na gestão plena do sindicato.”

Na decisão proferida no último 2 de junho, o Hélio Cesar Engelhardt ressalta que a denúncia preenche os requisitos do art. 41, do Código de Processo Penal, e presentes estão a materialidade e os indícios de autoria, bem como ausentes as hipóteses do art. 395 do Código de Processo Penal, razão pela qual o seu recebimento é medida que se impõe. ‘Conforme restou demonstrado pelos elementos indiciários que subsidiam a denúncia, os denunciados, desde a década de 90, perpetuam-se na direção do Sindicato dos Empregados do Comércio de Ponta Grossa, sendo que mediante quebra de sigilo fiscal e bancário autorizada nos autos 14767-67.2020.8.16.0019, constatou-se grande evolução patrimonial dos requeridos no decorrer dos anos, além de uma movimentação financeira nas contas bancárias deles totalmente incompatível com a renda declarada à Receita Federal, conforme pode ser verificado nos Relatórios de Auditoria MPPR juntados nos movimentos 11.25, 11.29 e 11.31’.

O Portal aRede aguarda manifestação do sindicato e dos dois denunciados.

PUBLICIDADE

Recomendados