PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Ponta Grossa corre risco de ficar sem oxigênio e remédios

Ponta Grossa

09 de junho de 2021 20:00

Rodolpho Bowens


Relacionadas

CMT deve propor subsídios para evitar tarifa de R$ 8,35

Abre processo seletivo para a UPA Santa Paula

Appeldorn Atacado investe R$ 20 mi em Uvaranas

Confira as vagas de emprego desta segunda-feira (25/10)
Maior Rede de Networking, BNI Rocket faz 2 anos em PG
PG vacina jovens de 12 a 17 anos na próxima semana
Ratinho exalta união do Estado e PG em busca da ESA
Secretário de Saúde de Ponta Grossa, Rodrigo Manjabosco. Foto: Arquivo/aRede
PUBLICIDADE

Secretário de Saúde, Rodrigo Manjabosco, conversou com o Portal aRede e alertou que a cidade viverá momentos difíceis pelos próximos dias

Por conta da atual situação da pandemia da covid-19, em Ponta Grossa, o secretário de Saúde e presidente da Fundação Municipal de Saúde, Rodrigo Manjabosco, afirmou, em entrevista para o Portal aRede, que a cidade corre o risco de ficar sem oxigênio e remédios para atender os ponta-grossenses que contraem o coronavírus. Além disso, ele alertou que o Município terá 30 dias difíceis pela frente, no que diz respeito ao enfrentamento da pandemia. Por fim, o secretário lamentou que as pessoas têm ficado mais tempo nos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), principalmente os cidadãos mais jovens, e suplicou para que as pessoas se conscientizem sobre a atual situação da pandemia.

Durante a conversa, foi ressaltado que os hospitais de Ponta Grossa estão lotados e, mesmo que houvesse a criação de um ‘Hospital de Campanha’, não haveria profissionais da saúde, bem como remédios para atender toda a população. “Temos um risco iminente da falta de medicamentos e oxigênio dos prestadores de serviço. Não tem capacidade de aumentar esse fornecimento. Estamos atrás de novos investimentos, mas é preciso entregar insumos, medicamentos, equipe e hoje não há mais disponíveis. A saúde tem todos os espaços montados para enfrentamento da pandemia, mas, não necessariamente, a gente precisa continuar favorecendo o vírus”, comentou.

Na sequência, Rodrigo lamentou que, no início da pandemia, a “sociedade já foi mais colaborativa”, e explicou que a cidade deverá ter, pelo menos, 30 dias difíceis de enfrentamento ao coronavírus. “A permanência do paciente em 21 dias em leito, isso nos diz que, minimamente, teremos de 20 a 30 dias de momentos difíceis. Nenhum paciente sairá do dia para a noite do leito. A população tem que entender que é o momento de se cuidar”, continuo o secretário, lembrando que, mesmo as pessoas vacinadas, devem seguir as recomendações de combate à covid-19, visto que elas, mesmo imunizadas, podem contrair e disseminar o vírus.

Secretário suplica por conscientização

Ao final da entrevista, o secretário reforçou que todos os ponta-grossenses precisam se conscientizar e ajudar no combate à pandemia. “População, é importante entender que as festas dos fins de semana têm sido trágicas. Pessoas na UPA nos contam como se contaminaram e o relato, muitas vezes, é o mesmo. Eu sei que isso já cansou, entendo que a saúde mental também está esgotada. Mas, infelizmente, é melhor isso do que perder a vida. A gente precisa ter consciência”, finalizou Rodrigo Manjabosco.

Para assistir a entrevista na íntegra clique aqui.


Assuntos semelhantes:

PG registra mais 292 casos de coronavírus.

PR define vacina para trabalhadores do transporte.

Protesto marca velório de professora vítima de covid-19.

PUBLICIDADE

Recomendados