PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Júri da morte de professora de PG será nesta terça

Ponta Grossa

11 de junho de 2021 10:06

Da Redação


Relacionadas

Cantora de Ponta Grossa recebe homenagem da Câmara

Colégio desmente sequestro de crianças em PG

Conselho de Assistência Social define membros de 2021-2023

PG sediará 'Super Live Show' com artistas sertanejos
Vídeo-leitura valoriza a relação entre crianças e seus avós
Policiais civis de PG cruzam os braços contra a PEC 32
PRF localiza crianças que foram sequestradas em PG
Luciane Ávila foi morta a golpes de faca pelo ex-marido Marcelo Ávila Foto: Reprodução
PUBLICIDADE

Júri de Marcelo Ávila, réu confesso da morte da ex-companheira e professora Luciane Ávila, de 42 anos, acontece na terça-feira (16), no Fórum de Ponta Grossa

Acontece nesta terça-feira (16), no Fórum de Ponta Grossa, o júri popular de Marcelo Ávila, acusado pelo Ministério Público pela morte da ex-mulher, a professora Luciane Ávila, de 42 anos. A sessão está prevista para começar às 8h30 e, de acordo com a Justiça, será semipresencial.

O crime aconteceu em dezembro de 2019. A professora foi morta em frente à escola onde trabalhava, na Avenida Anita Garibaldi, no bairro São José em Ponta Grossa. A vítima foi golpeada com várias facadas e não resistiu aos ferimentos. Um homem que tentou ajudá-la também foi ferido. Toda a ação foi presenciada pelo filho de Luciana, que tinha 6 anos, na época do crime.

Horas após o crime, Marcelo foi preso e disse em entrevista ao Portal aRede ter tirado a vida da ex-mulher, por suspeitar de uma traição conjugal. O réu confesso disse também não ter premeditado o crime e que não é usuário de droga.

O advogado Gustavo Madureira encarregado da defesa de Marcelo, pediu para que ele fosse submetido a exame de sanidade mental, o qual constatou que sofre de Episódio Depressivo Grave e que ao tempo da ação, apesar de inteiramente capaz de entender o caráter criminoso do fato, ele estava parcialmente incapaz de determinar-se de acordo com esse entendimento por motivo da doença que possui.

Madureira afirmou que pelo fato do réu ser considerado parcialmente incapaz, em caso de condenação, ele terá sua pena reduzida de um a dois terços, devendo ser submetido a tratamento no Complexo Médico Penal.

O criminalista Angelo Pilatti Junior atuará como assistente de acusação. Ele disse fará o possível para a condenação do réu e que a sentença atenda à expectativa dos familiares da vítima.

 

PUBLICIDADE

Recomendados