PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Pegaí convida leitores a 'comerem' livros

Ponta Grossa

03 de julho de 2021 08:59

Fernando Rogala


Relacionadas

Vestibular: veja a lista dos aprovados na UEPG

UEPG investe R$ 1,4 mi em equipamentos de informática

Sesc Estação Saudade promove ciclos de oficinas em Artes

Etapa Rio São Jorge encerra circuito Corridas na Roça 2021
Projeto Lar das Vovozinhas é selecionado pelo Instituto BRF
Futsal PGZ vence Carambeí e garante bronze nos ‘JAPs’
Outubro na LBV em PG foi marcado por boas iniciativas
Livro 'A menina que comia livros' é da escritora Regina Drummond (sobrinha de Carlos Drummond de Andrade, que atualmente mora na Alemanha) e tem ilustrações de Taciana Ottowicz Foto: Bruna Wambier
PUBLICIDADE

Quarta obra impressa pelo Instituto Pegaí Leitura Grátis neste ano, ‘A menina que comia livros’ tem produção internacional


Uma conexão Brasil-Alemanha possibilitou a impressão de mais um livro infantil para ampliar o acervo do Instituto Pegaí Leitura Grátis. ‘A menina que comia livros’ é o novo livro da escritora Regina Drummond e da ilustradora Taciana Ottowicz, brasileiras que residem atualmente na Alemanha e cederam os direitos para uma tiragem especial do Pegaí. Com isso, 6 mil novos exemplares começaram a ser disponibilizados essa semana.

O livro é uma pequena autobiografia da escritora, que desde cedo foi incentivada pela família a se alimentar de literatura. Sobrinha de Carlos Drummond de Andrade, Regina cresceu entre brincadeiras literárias, imaginando que cada comida fosse um livro ou autor(a). Assim, aflorou-lhe uma grande criatividade de viver situações e modificá-las em sua mente, à medida que crescia.

"'A menina que comia livros' oferece ao leitor um maravilhoso banquete literário. Grandes escritores e ilustradores da literatura brasileira e mundial vão sendo servidos, numa aventura que desperta a curiosidade e a fome de ler", destaca Cintia Barreto, doutora em Literatura Brasileira pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Os livros estão sendo disponibilizados nas 67 estantes do Pegaí em Ponta Grossa e outras 14 cidades paranaenses a partir deste final de semana. Porém, por conta das medidas de segurança sanitária, algumas delas se encontram fechadas temporariamente. Para saber onde encontrar uma estante e sua situação atual, acesse www.pegai.info/estantes-pegai. Os exemplares também serão incluídos no projeto Alimentando Mentes, um dos braços do Instituto Pegaí que acrescenta livros aos kits de alimentos distribuídos por escolas, igrejas e instituições.

A impressão dos exemplares foi possível novamente graças ao apoio de empresas comprometidas com o propósito do Pegaí de aproximar livros sem leitores de leitores sem livros, além dos cupons fiscais doados por pessoas físicas para a campanha ‘Transforme seu cupom sem CPF em Leitura’, com arrecadação por meio do Programa Nota Paraná. Assinam o patrocínio dessa impressão a Ade Propaganda de Resultado, Planalto Select Hotel, BO Paper Brasil Indústria de Papéis (que doou o papel usado no miolo) e Papirus Indústria de Papel (que doou o papelcartão da capa).

 

Livros que emocionam

Com mais de 140 livros publicados e parcerias com importantes nomes da literatura brasileira, como Mauricio de Sousa, Regina Drummond é atualmente uma das grandes escritoras do país. Ao conhecer o Pegaí, ela logo se apaixonou pela proposta e embarcou junto. “O livro é o alimento do espírito. Ajudar a levar a oportunidade de ter contato com obras de qualidade literária para as pessoas é, com certeza, a realização do sonho de todo autor. Nós amamos os livros e sabemos da importância que podem ter na vida das pessoas e, em especial, no futuro das crianças e jovens”, destaca.

Avó de três netos e uma neta, Regina conta que a influência deles em sua escrita é enorme. “A conversa deles, seus interesses e dificuldades, suas descobertas, tudo isso me inspira. As crianças costumam dizer coisas engraçadas que, muitas vezes, nos levam à reflexão. Além de divertido, acho interessante o que dizem, refletindo uma maneira pessoal de ver e interpretar o mundo. Como a vida é feita de trocas, acho maravilhoso poder trocar com elas experiências e vivências”, conta.

Sobre ‘A menina que comia livros’, ela espera que a emoção tome conta dos pequenos leitores (ou ouvintes). “Meu desejo maior é que nosso livro invada o coração e a mente das crianças; que possa levá-las à reflexão e acrescentar algo de bom à vida delas; que proporcione alegria e momentos de diversão e êxtase. As melhores histórias são aquelas que ficam dentro da gente, mesmo muito tempo depois que fechamos o livro. Espero que o nosso consiga realizar essa façanha”, finaliza.


As informações são da assessoria de imprensa

PUBLICIDADE

Recomendados