PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

PG receberá R$ 60 milhões para novo residencial

Ponta Grossa

23 de julho de 2021 18:00

Da Redação


Relacionadas

Rotary Lagoa Dourada Open de Tênis reúne 200 participantes

Pavimentações avançam em bairros de PG

IMM tem consolidação nacional em Justiça Restaurativa

Reajuste da tarifa deve ser apresentado depois do feriado
Saldo do emprego em PG é positivo pelo 5º mês seguido
Polícia Civil e GM prendem tutor por maus-tratos em PG
Justiça de PG condena homem a 2 anos de prisão
Várias lideranças políticas estiveram no lançamento da primeira fase do Residencial. Foto: Divulgação/PMPG
PUBLICIDADE

Primeira fase do Residencial Bem Viver Uvaranas, com 408 casas, foi anunciada na manhã desta sexta-feira (23), em Ponta Grossa

A Prefeitura Municipal de Ponta Grossa (PMPG), juntamente com a Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar), do Governo do Estado, participou, nesta sexta-feira (23), do lançamento da primeira fase do Residencial Bem Viver Uvaranas, com 408 casas, em que serão investidos mais de R$ 60 milhões. Neste ano, a Pacaembu Construtora, por meio de contrapartida ocasionada por Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV) do empreendimento, construiu uma ponte entre os núcleos Dal Col e San Martin que teve um custo superior a R$ 1,2 milhão.

A prefeita Elizabeth Schmidt (PSD) comentou que através dos investimentos efetuados pela construtora, pela contrapartida do EIV, um sonho foi realizado em relação a mobilidade na região com a construção da ponte que liga o núcleo Dal Col com o San Martin, pois até então, o único acesso era através do túnel. “Nós, ponta-grossenses, estamos recebendo este investimento sabendo que realizará muitos sonhos da casa própria. Para uma cidade poder avançar, temos que construir pontes e abrir caminhos e é o que estamos fazendo neste momento”, disse Elizabeth.

De acordo com o diretor de Programas e Projetos da Cohapar Luís Werlang, em um primeiro momento, a entidade vai fornecer os benefícios de Copel e Sanepar, através de um convênio com a construtora. “Serão R$ 2 mil por casa de subvenção para as famílias em padrão e rede de energia elétrica da Copel e rede coletora de esgoto da Sanepar”.

O secretário de Estado de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex, avalia que o empreendimento já trouxe o beneficio da mobilidade com a construção da ponte. Segundo ele, o Residencial está em um lugar privilegiado o que trará qualidade de vida para quem morar no local. “Isso significa mais emprego para a população. Isso porque, cada casa gera duas a três pessoas trabalhando, se temos mais de 400 casas, temos cerca de mil empregos e R$ 60 milhões em investimentos, bem-vindos neste momento de retomada do desenvolvimento da cidade”, disse.

Fred Escobar, diretor de Relacionamento Institucional da Pacaembu, avalia Ponta Grossa como uma cidade pujante e que os investimentos trazidos com o empreendimento beneficiarão ainda mais o município. “Acreditamos que as famílias paranaenses também merecem viver bem, por isso trouxemos oportunidades para quem sonha sair do aluguel. Trazemos um conceito de infraestrutura completa para o bairro e entendemos que a missão da construtora é transformar a vida das famílias”, comenta Escobar. 

Contrapartidas do Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV)

De acordo com o EIV, para a liberação do loteamento, está prevista além da construção da ponte, a execução do projeto na área de lazer em uma das Áreas Verdes do loteamento, incluindo piso, instalações de segurança e acessibilidade e tratamento paisagístico. As medidas do EIV compreendem a instalação de equipamentos como bancos, lixeiras, iluminação, sinalização, instalação de equipamentos de academia da terceira idade e instalação de equipamentos para playground.

A infraestrutura é contemplada também com a instalação de seis superpostes de comunicação sem fio, para cobertura e atendimento à loteamentos vizinhos; com a implantação de oito pontos de ônibus com cobertura no empreendimento, incentivando o uso do transporte coletivo; com a implantação de ciclovia de 1,50m em um dos lados de toda a extensão da Rua 01 (liga Rua Professor Paulo Grott / Vila Dal Col a Rua Clycema Kossatz Carvalho/ Residencial San Martin); além da arborização das ruas internas do empreendimento e a recuperação da Área de Preservação Permanente inserida na área do empreendimento. 

Sobre o Residencial

O empreendimento tem como foco famílias com renda mensal a partir de R$ 1,8 mil. O empreendimento integra o programa Casa Fácil Paraná, do Governo do Estado, por meio da Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar), em parceria com a Caixa Econômica Federal e a Prefeitura de Ponta Grossa. A previsão é que sejam gerados mil postos de trabalhos diretos e indiretos, movimentando a economia da cidade. O prazo de entrega é de até 24 meses contados a partir da assinatura do contrato de financiamento pelo futuro morador.

O Residencial Bem Viver Uvaranas terá casas não geminadas com 48,64m² de área construída, que ficam isoladas no lote, permitindo a sua expansão. O tamanho dos terrenos é de 160m². As casas têm sala integrada, dois quartos, cozinha e banheiro com azulejos nas áreas molhadas, lavanderia e piso cerâmico em todos os ambientes.

De acordo com a Cohapar, a Pacaembu irá participar de um edital de chamamento em que a Cohapar poderá conceder o benefício do valor da entrada para as famílias que querem financiar a casa própria, em Ponta Grossa. “Teremos os R$ 15 mil do Programa Casa Fácil, subvenção do Governo do Estado, que pode ser utilizado juntamente com a subvenção do Programa Casa Verde Amarela do Governo Federal, podendo chegar a R$ 25 mil de subvenção para a família dar de entrada”, disse o diretor da Cohapar Luís Werlang.

O empreendimento é voltado para famílias que não tem casa própria e por isso, há a possibilidade de conquistar um subsídio de até R$ 23.200, por meio do programa habitacional Casa Verde e Amarela, do Governo do Federal, para ser abatidos no valor do imóvel. A Caixa é o agente financeiro exclusivo e oferece a possibilidade de financiamento em até 360 meses. É possível utilizar o saldo FGTS como valor de entrada do imóvel e, se necessário, a Pacaembu Construtora pode financiar a entrada em até 60 meses.

Informações: Assessoria de Imprensa.

PUBLICIDADE

Recomendados