PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Prefeitura corta adicional de 40% para área de Saúde

Ponta Grossa

30 de agosto de 2021 20:08

Rodolpho Bowens


Relacionadas

Prefeitura de PG aplica 2ª dose da Coronavac na terça-feira

Instituto Pedro Gaspar realiza ação ‘Anjos do Bem’ em PG

Indivíduo morre esfaqueado na região central de PG

Homem morre atropelado por trem neste sábado em PG
Presidente do PSOL vem a PG na próxima semana
PG volta a obrigar o uso de máscaras em ambientes abertos
Leilão solidário de vinhos arrecada R$ 54 mil em PG
Poder Executivo publicou a decisão no Diário Oficial da cidade, na última sexta-feira (27). Foto: Arquivo/aRede.
PUBLICIDADE

Mesmo após pedido do SindServ, Prefeitura decide voltar ao valor normal do adicional de insalubridade, que é 20%

A Prefeitura Municipal de Ponta Grossa (PMPG) decidiu retomar, a partir deste mês de agosto – no acerto desta terça-feira (31) –, os parâmetros normais de pagamento do adicional de insalubridade aos servidores municipais da Saúde que atuam na linha de frente contra a covid-19. O anúncio foi realizado em 26 de agosto e publicado no Diário Oficial da cidade na última sexta-feira (27). O adicional de 40% do salário mínimo foi denominado como ‘Adicional Covid’. Mesmo com o pedido do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Ponta Grossa (SindServ) pela manutenção até o fim da pandemia, o Poder Executivo acabou não acatando a solicitação.

O pagamento do adicional de insalubridade começou a ser aplicado pela PMPG por conta da “situação aflitiva daqueles que, por força da profissão, se colocavam na linha de frente deste atendimento – os servidores da saúde – e como medida de apoio ante a falta de outra proteção eficiente, o Município reconheceu que grande parte deles estaria em contato permanente com a possibilidade de contrair doença infecto contagiosa”, neste caso, o coronavírus.

Dessa forma, o valor de 20% passou a ser de 40% - adicional em grau máximo. Porém, com o decorrer da pandemia e o avanço da vacinação, o Poder Executivo decidiu retornar ao valor de 20%, conforme explicam no documento ‘Informação Administrativa aosTrabalhadores da Fundação Municipal de Saúde’. “Com o passar do tempo, os trabalhos do serviço de medicina e segurança, da equipe de infectologia, dos recursos humanos, da atenção básica, dentre outros, foram buscando melhores equipamentos de proteção, maior treinamento no uso e proteção, e finalmente a vacina para todos os servidores da saúde, com imunização de 1ª e 2ª dose”.

Além disso, “onde evidencia-se a redução de contaminação, dos casos graves, das internações, onde os servidores já se encontram imunizados e preparados com treinamento e equipamentos para atuação, o Município passa a retomar os parâmetros normais de pagamento do adicional de insalubridade”, explica o documento. Por fim, a Prefeitura orienta que os servidores que entenderem “que no mês de setembro não está recebendo o valor adequado”, deve protocolar um requerimento informando os motivos. Caso seja constatado o erro, o Executivo afirma que “a situação será corrigida”.

O documento na íntegra está disponível no Diário Oficial da Prefeitura de Ponta Grossa.

Pandemia ainda não chegou ao fim

O SindServ, em busca de apoio para a permanência do adicional de 40% até o fim da pandemia, apresentou um documento à Câmara Municipal de Ponta Grossa (CMPG) solicitando auxílio nessa reivindicação. O arquivo é assinado pelo presidente da entidade, Roberto Carlos Ferensovicz – que encaminhou o documento após pedido do Grupo aRede. De acordo com o sindicato, “a justificativa apresentada pelo governo é que o pagamento estava sendo realizado de maneira ilegal. Outro argumento utilizado pelo governo municipal para justificar o corte, é de que existe um laudo de segurança do trabalho que não autoriza o pagamento deste adicional”, comenta o SindServ.

Porém, no próprio arquivo da Prefeitura, é citado que, “utilizando como parâmetro o Anexo 14 da NR15 da Portaria 3.214-78 do Ministério do Trabalho, o Município conferiu aos servidores da Saúde o pagamento do adicional de insalubridade à razão de 40% do salário mínimo”. Assim, a entidade cita que o “sindicato entende que não há ilegalidade alguma neste pagamento”. E continua: “E quanto a posição da segurança do trabalho, nunca houve laudo apontando para pagamento de adicional de 40% em função da pandemia”.

Por fim, o SindServ pede que a quantia seja mantida “porque continuamos em meio a pandemia com novas variantes e os servidores continuam atuando na linha de frente atendendo diariamente centenas de pacientes positivados ou com suspeita de covid-19”. O documento na íntegra pode ser acessado clicando aqui.


Assuntos semelhantes:

África detecta nova variante da covid-19 e suas mutações.

PG registra 37 novos casos e uma morte pela covid-19.

PG prorroga ações contra a covid até13 de setembro.

PUBLICIDADE

Recomendados