Comissão avaliará tarifa do ônibus de R$ 8,35 em PG

Se valor foi aceito, nos últimos dez anos tarifa teria um aumento de R$ 5,95; AMTT, Sintropas, vereadores e VCG se manifestam.

Transporte público coletivo de Ponta Grossa pode receber novo reajuste na tarifa.
Transporte público coletivo de Ponta Grossa pode receber novo reajuste na tarifa. -

Rodolpho Bowens

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

Se valor foi aceito, nos últimos dez anos tarifa teria um aumento de R$ 5,95; AMTT, Sintropas, vereadores e VCG se manifestam

Com o novo aumento na conta de luz, no alto preço para aquisição de alimentos e combustíveis, por exemplo, e a diminuição do poder de compra da população, os ponta-grossenses foram surpreendidos com mais um possível aumento: na tarifa do transporte público coletivo, que pode chegar a R$ 8,35. É o que sugere o novo estudo técnico da Autarquia Municipal de Trânsito e Transportes (AMTT) de Ponta Grossa, anunciado nesta quarta-feira (1º) e noticiado pelo Grupo aRede. A sugestão será agora avaliada pela Comissão de Fiscalização e Avaliação do Transporte Público e, posteriormente, será aprovada ou não pela Prefeitura Municipal de Ponta Grossa (PMPG).

Atualmente sendo R$ 4,30, e se confirmado o novo valor, a tarifa de ônibus teria um aumento de 94% - o último reajuste foi em 2019. Segundo a AMTT, em nota enviada ao Grupo aRede, “a pandemia levou a uma redução significativa no número de passageiros do sistema, com evidentes reflexos no custo global, uma vez que o sistema em Ponta Grossa usa como base o índice de passageiros por quilômetro”, explica. Além disso, é ressaltado que a posição inicial da Autarquia “não foi sequer recebida pelo Conselho Municipal de Transportes”.

O cálculo tarifário da AMTT (disponível na íntegra clicando aqui) considera, por exemplo, custos operacionais como combustível, lubrificante, rodagem, peças e acessórios, serviços de terceiros relativos à manutenção, pessoal de tráfego, encargos sociais, uniformes, despesas com terminais, seguros, fundo de assistência sindical, custo de remuneração de diretoria, vida útil da frota e o Índice de Passageiros por Quilômetro (IPK).

Fazem parte da Comissão que analisa o possível novo aumento da tarifa do transporte, de acordo com o Decreto nº 17.194, de 31/03/2020, um procurador municipal, um contador, um engenheiro e um servidor da AMTT, responsável pela Divisão de Transporte Urbano.

Opinião

Por conta do alto valor de R$ 8,35, alguns vereadores da Câmara Municipal de Ponta Grossa (CMPG) se manifestaram sobre o possível aumento na tarifa. Segundo o presidente da Casa de Leis, Daniel Milla Fraccaro (PSD), ele solicitará uma reunião com a Comissão de Fiscalização e Avaliação do transporte, para que todos os parlamentares possam tirar as suas dúvidas sobre a situação. Para Leonilton Antônio Carneiro (PV), é necessário “analisar com cuidado esses pedidos. Temos que ir com cautela, desde já”, alertou.

Josiane Schade Kieras (PSOL) ressaltou que “é inegociável essa tarifa. É um grande absurdo e a cidade precisará parar, se isso acontecer. É uma vergonha”. Geraldo Stocco Filho (PSB) também afirmou que “é inviável e irreal uma tarifa de ônibus a R$ 8. Lamentável”, disse em uma rede social.

O Grupo aRede também entrou em contato com a Viação Campos Gerais (VCG), responsável pelo transporte público coletivo da cidade (contrato vence em 2023), para saber a opinião da empresa sobre o possível reajuste. De acordo com eles, “a nossa decisão agora é não nos manifestarmos até porque é atribuição do Município fazer o cálculo e aferir a documentação. Vamos aguardar o trâmite do processo”, comenta.

Por fim, o Sintropas, sindicato que representa os trabalhadores do transporte público coletivo, se manifestou (uma notícia de 2 de fevereiro de 2021) por meio de declarações de seu presidente, Luiz Carlos de Oliveira. Na época, ‘Luizão’, como é conhecido, havia dito que a tarifa provavelmente seria mais do que R$ 6, em um possível reajuste. “Se Ponta Grossa não encontrar uma forma de subsidiar, vamos ter cada vez mais carros e menos ônibus circulando, tornando o transporte muito caro. O IPK daqui é muito baixo porque a tarifa é alta. Com a passagem superior a R$ 6 vai ficar insustentável para a cidade”, afirmou à época.

Histórico

Em 2011, a tarifa do ônibus era de R$ 2,40. Agora, em 2021, pode ficar a R$ 8,35. O levantamento foi feito pelo jornalista e doutorando em Comunicação Política pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), Afonso Verner. Segundo os dados, a tarifa só foi passar de R$ 3 em 2016, quando atingiu R$ 3,20. Em 2019, o valor saltou para R$ 4,30 e seguiu até os dias de hoje. Caso venha a ser aprovado, nos últimos dez anos a tarifa teria um aumento de R$ 5,95.

Somente uma vez o valor, de 2011 a 2021, sofreu queda – em 2012 era R$ 2,50 e em 2013 ficou em R$ 2,40.

Assuntos semelhantes:

Ponta Grossa terá 'Comitê' pelo direito à mobilidade.

Transporte coletivo ganha maior proteção contra a covid.

Transporte coletivo de PG é tema de seminário nesta sexta.