PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Saúde de PG recusa proposta e indica mais paralisações

Ponta Grossa

06 de setembro de 2021 16:05

Rodolpho Bowens


Relacionadas

Instituto Pedro Gaspar realiza ação ‘Anjos do Bem’ em PG

Indivíduo morre esfaqueado na região central de PG

Homem morre atropelado por trem neste sábado em PG

Presidente do PSOL vem a PG na próxima semana
PG volta a obrigar o uso de máscaras em ambientes abertos
Leilão solidário de vinhos arrecada R$ 54 mil em PG
Transformarte realiza audições para bolsas de estudo em teatro
PUBLICIDADE

Profissionais suspenderão os trabalhos em 8, 9 e 10 de setembro, das 8h às 8h30, após recusarem, em assembleia, a proposta da Prefeitura Municipal

Os servidores da Saúde de Ponta Grossa iniciaram a paralisação nos serviços de atendimento nesta segunda-feira (6), conforme noticiado pelo Grupo aRede em 2 de setembro – clique aqui para mais informações. Os profissionais protestam por melhores condições de trabalho, e contra o corte do adicional de insalubridade de 40%, anunciado pela Prefeitura Municipal de Ponta Grossa (PMPG) em 27 de agosto – a quantia retorna aos valores normais de 20%. As manifestações aconteceram pela manhã, ao lado da Estação Arte, em frente ao Terminal Central, e à tarde na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Santana, na região central de Ponta Grossa.

O corte do adicional de 40%, segundo o Poder Executivo, se daria por conta que “evidencia-se a redução de contaminação, dos casos graves, das internações, onde os servidores já se encontram imunizados e preparados com treinamento e equipamentos para atuação” contra a covid-19, disseram no documento ‘Informação Administrativa aosTrabalhadores da Fundação Municipal de Saúde’. Entretanto, o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Ponta Grossa (SindServ) se mostrou contra a decisão, ressaltando que a pandemia do coronavírus ainda não acabou e lembrando o surgimento de novas variantes do vírus como a ‘Delta’, que chegou, recentemente, na cidade ponta-grossense.

Proposta recusada

A PMPG, então, apresentou uma proposta aos servidores: o pagamento de mais um mês do adicional de 40%, e após esse acerto, o valor voltaria ao normal, de 20%. Apesar disso, em duas assembleias realizadas nesta segunda-feira (6), os trabalhadores recusaram por unanimidade a proposta apresentada pela Prefeitura Municipal. Além disso, eles decidiram suspender o atual processo grevista.

Porém, os profissionais concordaram em parar com as atividades da Saúde por 30 minutos, em 8, 9 e 10 de setembro, das 8h às 8h30. A informação foi confirmada pelo SindServ ao Grupo aRede – ao que tudo indica, os serviços de Urgência e Emergência, assim como da vacinação contra a covid-19, não serão afetados pela paralisação. Dessa forma, o sindicato deve aguardar uma nova proposta do Poder Executivo para pôr um fim a greve na Saúde da cidade ponta-grossense.

O Grupo aRede entrou em contato com a assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal, para saber o posicionamento do governo sobre os manifestos dos servidores. Eles indicaram que enviarão uma nota à imprensa. Porém, até o fechamento desta notícia, ela ainda não foi encaminhada – assim que for enviada, a equipe de Jornalismo publicará o pronunciamento do Poder Executivo.

Críticas ao Governo Municipal

Durante as manifestações desta segunda-feira (6), os profissionais utilizaram cartazes para criticar a decisão tomada pela PMPG e da prefeita de Ponta Grossa, Elizabeth Silveira Schmidt (PSD). “Prefeita Elizabeth, pagar o 40% de Insalubridade é o mínimo para valorizar os profissionais da saúde”. “Chegou a hora de mostrar de fato, se os servidores da saúde são valorizados ou usados”. “Os servidores da saúde estão exaustos, sobrecarregados! É isso que merecemos?”. Esses, são alguns dos protestos apresentados pelos profissionais. O presidente do SindServ, Roberto Carlos Ferensovicz, também esteve falando com os servidores.


Assunto semelhante:

Vacinação contra a covid não será afetada por greve.

PUBLICIDADE

Recomendados