PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Elizabeth proíbe ‘linguagem neutra’ em escolas de PG

Ponta Grossa

09 de setembro de 2021 18:59

Rodolpho Bowens


Relacionadas

Novo presidente da OAB quer entidade inserida na sociedade

Projeto Quali&Tec, da Prefeitura, recebe Selo ODS 2021

Saúde de PG aplica 2° dose nesta segunda e terça

Ponta Grossa é destaque em ranking de cidades inteligentes
Autoglass abre vagas de emprego em Ponta Grossa
Você sabe o que é separação de poderes?
Encerram hoje inscrições para oficina de produção audiovisual
Prefeita de Ponta Grossa, Elizabeth Silveira Schmidt (PSD). Foto: Arquivo/aRede.
PUBLICIDADE

Nova lei foi publicada no Diário Oficial da última quarta-feira; Secretaria de Educação disse ao Grupo aRede que lei não deve ter validade em Ponta Grossa

A prefeita de Ponta Grossa, Elizabeth Silveira Schmidt (PSD), sancionou a lei sobre a proibição do uso da linguagem neutra em escolas de Ponta Grossa. A Lei nº 14.036 foi publicada na última quarta-feira (8), no Diário Oficial da cidade. Apesar da publicação, a nova lei não deve ter validade no Município, já que a Secretaria Municipal de Educação (SME) segue a Lei de Diretrizes e Bases da Educação, onde qualquer modificação dessa legislação precisa partir do Ministério da Educação (MEC). Isso foi confirmado ao Grupo aRede pela ‘Pasta’ em nota, publicada em 4 de agosto – acesse a notícia clicando aqui.

A nova lei surgiu do Projeto de Lei (PL) 117/2021, de autoria dos vereadores Ezequiel Marcos Ferreira Bueno (Avante) e Leandro Bianco (Republicanos). A proposta gerou discussão na Câmara Municipal de Ponta Grossa (CMPG), tanto entre os parlamentares como entre os munícipes que acompanharam a votação do PL. No grupo de vereadores que defenderam a proposta, foi reforçada a necessidade de segurança dos alunos, a defesa da família tradicional brasileira e da língua portuguesa.

Já do lado dos representantes que foram contrários ao PL nº 117/2021, foi destacada a possível inconstitucionalidade da proposta, visto que as diretrizes da Educação são organizadas pelo MEC, além de que a aprovação do PL seria um ato de criminalização contra os grupos LGBTQIA+. Na época, foi cogitado chamar a secretária de Educação de Ponta Grossa, Simone do Rocio Pereira Neves, para tirar dúvidas quanto a proposta. Apesar disso, a maioria dos parlamentares rejeitou a fala da responsável pelo ensino da cidade.

Confira abaixo a nota na íntegra da SME:

“A respeito do Projeto de Lei 117/2021, a Secretaria Municipal de Educação informa que o currículo praticado nas escolas municipais de Ponta Grossa segue e respeita os princípios contidos na Constituição Federal e trabalha conforme a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (Lei nº 9394/96), atendendo as Diretrizes Curriculares Nacionais e a Base Nacional Comum Curricular. A SME também dispõe de Referenciais Curriculares Municipais, elaborados à luz dessa legislação e aprovados pelo Conselho Municipal de Educação. A SME informa ainda que toda e qualquer modificação dessa legislação deve ser realizada a partir do Ministério da Educação”.

Nova lei municipal

Segundo o artigo 1º, “é garantido aos estudantes do Município de Ponta Grossa o direito ao aprendizado da língua portuguesa de acordo com as normas legais de ensino estabelecidas com base nas orientações nacionais de Educação, pelo Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa (VOLP) e da gramática elaborada nos termos da reforma ortográfica ratificada pela Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP)”.

Além disso, em seu artigo 3º, “fica expressamente proibida a denominada ‘linguagem neutra’ na grade curricular e no material didático de instituições de ensino públicas ou privadas, assim como em editais de concursos públicos”. Toda a Lei nº 14.036 pode ser lida na íntegra acessando aqui.

Linguagem neutra

Segundo o Guia do Estudante, “a proposta de uma terceira forma que vá além do ‘A’ para o gênero feminino e do ‘O’ para o gênero masculino é conhecida como Linguagem Neutra e compreende, basicamente, a utilização de uma terceira letra para se referir a todos, sem particularizar gênero, inclusive para aqueles que não se identificam com a binariedade”.

No PL 117/2021 é citada uma situação de uso da ‘linguagem neutra’. “Por exemplo, a tendência aponta que os termos ‘todas’ e ‘todos’ deveriam ser substituídos por ‘todes’ para acolher todos os gêneros”.


Assuntos semelhantes:

PL da 'linguagem neutra' em escolas de PG sai para vistas.

Câmara discute 'linguagem neutra' em escolas de PG.

PUBLICIDADE

Recomendados