PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Perto de visita a PG, outdoors criticam Bolsonaro

Ponta Grossa

17 de setembro de 2021 11:53

Rodolpho Bowens


Relacionadas

PG faz repescagem da vacina e aplica 3º dose amanhã

Igreja Batista Fonte de Vida comemora nove anos em PG

Estudante de PG concorre em concurso mundial de tecnologia

Bêbado, homem ameaça esposa e acaba preso em PG
Mulher fura preferencial e quase bate em viatura na Ronda
Vani Quadros Fadel se torna Cidadã Benemérita do Paraná
Prefeitura abre 3ª dose para idosos 75 anos ou mais
PUBLICIDADE

Materiais fazem críticas ao Governo Federal e a alta nos preços do gás e da gasolina, por exemplo

Dois outdoors foram instalados, em Ponta Grossa, criticando o governo do presidente Jair Messias Bolsonaro (sem partido). Os manifestos acontecem perto da vinda do representante do Poder Executivo a cidade ponta-grossense (ele vem em 24 e 25 de setembro na região dos Campos Gerais – acesse a notícia clicando aqui). Os cartazes estão localizados no bairro de Oficinas e na Avenida Visconde de Taunay.

O primeiro fica na Rua Emílio de Menezes e traz as seguintes informações: ‘#ForaBozo. Pelas quase 600 mil mortes por covid... Pelo gás a R$ 110 e gasolina a R$ 7. Pelos 15 milhões de desempregados no Brasil. O povo brasileiro quer saúde, trabalho e educação. Não fuzil!’. Além disso, a imagem do presidente em forma de palhaço é apresentada no outdoor. O material foi idealizado pelo artista e professor Wilton Paz.

Já o segundo está na Avenida Visconde de Taunay e traz as informações: ‘#ForaBolsonaro e seu governo incompetente! Está tudo o zóio da cara por culpa desse jaguara!’.

Queda de popularidade

A popularidade do presidente Jair Bolsonaro voltou a bater recorde negativo na nova pesquisa Datafolha, publicada na última quinta-feira (16). Nela, a avaliação de Bolsonaro chega a 53% de ruim ou péssimo, ante 51% em julho. 24% consideram o governo regular, o mesmo da última pesquisa. E 22% consideram Bolsonaro ótimo ou bom, ante 24% da pesquisa anterior.

Os valores apontam oscilação no limite da margem de erro, de dois pontos percentuais. A pesquisa, realizada entre os dias 13 e 15 de setembro, já ocorre depois das manifestações do último 7 e 12 de setembro.

PUBLICIDADE

Recomendados