PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

‘Novo Ponta Grossa’ quer ser a terceira via na cidade e região

Ponta Grossa

21 de setembro de 2021 10:48

Rodolpho Bowens


Relacionadas

Rotary Lagoa Dourada Open de Tênis reúne 200 participantes

Pavimentações avançam em bairros de PG

IMM tem consolidação nacional em Justiça Restaurativa

Reajuste da tarifa deve ser apresentado depois do feriado
Saldo do emprego em PG é positivo pelo 5º mês seguido
Polícia Civil e GM prendem tutor por maus-tratos em PG
Justiça de PG condena homem a 2 anos de prisão
Partido busca novas lideranças para a cidade e região dos Campos Gerais. Foto: Divulgação.
PUBLICIDADE

Sigla anuncia pré-candidato visando as eleições de 2022 e 2024

Faltando pouco menos de um ano para as próximas eleições, e já articulando sua base para lançar candidato próprio, o diretório local do 'Novo Ponta Grossa' realizou no começo do mês um evento para filiados e apoiadores contando com a presença da vereadora do Novo em Curitiba – Amália Tortato, e a Chefe de Gabinete – Anne Dias. 

 “Hoje em Ponta Grossa, nos reunimos frequentemente para discutir um projeto até 2024 onde pretendemos ter candidatos à vereadores e prefeito. Queremos possibilitar aos ponta-grossenses avaliarem uma alternativa com candidatos que representem uma renovação. Buscamos pessoas que nunca se envolveram na política mas possuem capacidade de transformação”, afirma André Pimentel, Administrador de empresas, com experiência em multinacionais e cooperativas de crédito, confirmado como pré-candidato a deputado federal para representar o munícipio e a região nas próximas convenções do Novo. 

Considerado um partido liberal de direita, o Novo possui alguns posicionamentos que são defendidos pelos seus filiados como uma estrutura administrativa enxuta e eficiente, a redução de impostos e dos privilégios políticos, a priorização de questões básicas como educação, saúde e segurança. A sigla também é conhecida por incentivar o liberalismo econômico (menor intervenção do Estado na economia, defendendo as privatizações) e descartar o uso de recursos públicos em campanhas eleitorais e na gestão partidária.

“Todos os dirigentes são voluntários. Quem é dirigente não pode ser candidato e vice-versa. Isso evita o que acontece em muitos partidos que os líderes tomam o partido em benefício próprio”, destaca Pimentel, que acredita que as instituições públicas devem ser geridas como empresas privadas.

Seleção

André explicou que a seleção para o partido escolher novos candidatos é composta por várias etapas, que analisam desde o alinhamento partidário do filiado com a doutrina liberal, até o currículo profissional e acadêmico. “Foram mais de 25 passos, como prova de alinhamento aos posicionamentos, análise de currículo profissional e acadêmico, vídeo de apresentação, histórico familiar, curso de formação de 66 horas com várias disciplinas relativas à gestão pública, legislação, ciências políticas com prova de conhecimentos, além de elaboração de TCC – Trabalho de Conclusão de Curso e apresentação para uma banca de Dirigentes do Novo de vários lugares do Brasil. Esta criteriosa avaliação e qualificação, reflete na performance do Partido que hoje lidera a performance do Ranking dos Políticos”, elenca o pré-candidato.

Com este processo, o partido tem a intenção de compor seus quadros com filiados comprometidos com uma boa gestão pública. “Até o momento é a única candidatura [confirmada em Ponta Grossa], mas o processo seletivo está aberto e até dezembro podem surgir mais nomes aprovados.”, indicou Pimentel.

Terceira via em Ponta Grossa

O Presidente do Novo Ponta Grossa, João Vicente Gonçalves, comenta que ao disponibilizar novos nomes na política, o Partido quer ser uma alternativa contra a polarização existente tanto a nível nacional, quanto local: 

“Ponta Grossa cresceu muito nos últimos anos, mas sempre esteve nas mãos dos mesmos grupos. A renovação em qualquer tipo de gestão é importante. Queremos implementar uma nova filosofia, sem o famoso toma lá, da cá, e uma política voltada para resultados. Temos dois bons exemplos no Novo, como o governador Zema de Minas Gerais e o prefeito de Joinville Adriano Silva, que trabalham para dar resultados e não estão preocupados com medidas populares para buscar a reeleição. Queremos ser a terceira via da região porque pelo potencial da cidade, tenho a certeza que podemos brigar por mais recursos e representatividade junto ao Governo Federal”, complementa João que também é um dos líderes do Novo no interior do Paraná (região dos Campos Gerais).

Com informações: Assessoria de Imprensa.

PUBLICIDADE

Recomendados