PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Gaeco combate exploração de jogos de azar em PG

Ponta Grossa

22 de setembro de 2021 10:40

Da Redação


Relacionadas

‘CEI da Saúde’ inicia oitivas com auditores do Estado do Paraná

Caminhada de encerramento do Outubro Rosa ocorre na sexta

Coletivo do PSOL apresenta PL sobre cotas raciais em PG

PG realiza nova etapa da 2º dose de Pfizer
1º Encontro Vida na Prestes resgata brincadeiras
Geraldo Stocco aciona MP pela quebra de sigilo fiscal da VCG
App de delivery 99Food abre cadastros em Ponta Grossa
A Operação Di Venezia foi iniciada em outubro de 2017 Foto: Ministério Público
PUBLICIDADE

Gaeco cumpre mandados de busca e apreensão em Goioerê na quarta fase da Operação Di Venezia, que combate exploração de jogos de azar

 

O Ministério Público do Paraná, por meio do núcleo de Ponta Grossa (nos Campos Gerais) do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), deflagrou na manhã desta quarta-feira, 22 de setembro, a quarta fase da Operação Di Venezia, destinada a apurar delitos de exploração de jogos de azar, organização criminosa, lavagem de dinheiro e corrupção ativa e passiva. São cumpridos quatro mandados de busca e apreensão expedidos pela 1ª Vara Criminal de Ponta Grossa, em três residências e uma empresa na cidade de Goioerê.

Com as medidas, o Ministério Público do Paraná busca desarticular um grupo que atua na exploração de jogos de azar (bingo eletrônico e caça-níqueis) em Ponta Grossa, mas que tem origem em Goioerê, com foco especificamente nos mecanismos de financiamento da atividade ilícita e de lavagem dos ativos, assim como em possível pagamento de propina a agentes públicos.

A Operação Di Venezia foi iniciada em outubro de 2017. Nos quatro anos de investigação, o MPPR já ofereceu nove denúncias contra 27 réus, pelos delitos de organização criminosa, exploração de jogos de azar, lavagem de dinheiro, corrupção ativa, corrupção passiva e tráfico de influência. Houve ainda o fechamento de 13 casas de exploração de jogos de azar em Curitiba e Ponta Grossa, a apreensão de veículos e o sequestro de três imóveis obtidos com o lucro da contravenção. Dois policiais militares já foram condenados por corrupção e por integrarem a organização criminosa, repassando informações sobre ações policiais e protegendo os contraventores. Três outros réus foram condenados por lavagem de dinheiro. Os demais réus aguardam os julgamentos em liberdade.

 

PUBLICIDADE

Recomendados