PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Programas habitacionais têm mudanças positivas, diz APC

Ponta Grossa

27 de setembro de 2021 11:49

Da Redação


Relacionadas

Rotary Lagoa Dourada Open de Tênis reúne 200 participantes

Pavimentações avançam em bairros de PG

IMM tem consolidação nacional em Justiça Restaurativa

Reajuste da tarifa deve ser apresentado depois do feriado
Saldo do emprego em PG é positivo pelo 5º mês seguido
Polícia Civil e GM prendem tutor por maus-tratos em PG
Justiça de PG condena homem a 2 anos de prisão
À esquerda, Nelson Mitiru, e à direita, Ariel Tavares - vice e presidente da APC. Foto: Divulgação.
PUBLICIDADE

Governo e Caixa anunciaram corte de taxas e novos valores para construções populares

O Governo Federal anunciou recentemente a redução da taxa de juros e outras medidas para programas habitacionais, entre eles o Casa Verde Amarela (CVA), destinado às famílias de renda mais baixa. O presidente e o vice-presidente da Associação Paranaense de Construtores (APC), Ariel Tavares e Nelson Mitiru, acompanharam o evento em Brasília e afirmaram que as mudanças devem dar um fôlego ao setor, que passa por problemas com alta de custos de produção e insumos. Nos últimos meses, construtores ponta-grossenses vinham se queixando que o teto do programa (R$ 190 mil) estava muito próximo do custo final das casas. Pela nova regra, o valor passará para até R$ 209 mil em cidades acima de 250 mil habitantes que não são capitais ou regiões metropolitanas, caso de Ponta Grossa. 

Mas a principal alteração anunciada para o CVA é a unificação da taxa de juros para famílias com renda de até R$ 2 mil por mês e a redução temporária de 0,5 ponto percentual na taxa de juros para famílias com ganhos mensais de R$ 4 mil a R$ 7 mil. Assim, ficam garantidos até o final de 2022 juros de 7,16% ao ano para cotistas do FGTS e de 7,66% para quem não é cotista. "A Caixa mostrou que está disposta a seguir como líder nesse mercado e que pode abrir mão de uma parte do lucro para fomentar a produção. Será benéfico para a habitação como um todo", explicou o presidente da APC. Apesar de esperada, não houve alteração nos critérios para financiamento dentro do programa, assim o Grupo 1 permanece para famílias com renda até R$ 2 mil mensais, Grupo 2 entre R$ 2 mil e R$ 4 mil mensais, e Grupo 3 entre R$ 4 mil e R$ 7 mil. 

Além de mudanças de teto e juros, o Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) também pretende ampliar o orçamento de programas habitacionais e de financiamento, sendo 10% para o próximo ano, 12% em 2023 e 15% em 2024, e fortalecer a cooperação com estados e municípios, que deverão ser responsáveis por garantir 20% do valor residencial e reduzir o valor financiado. De acordo com Ariel Tavares, o governo pretende assim atingir o público de menor renda. "Um exemplo de parceria é o Programa Casa Fácil PR, em que o Governo Estadual participa com R$ 15 mil para ajudar na entrada da casa própria. Inclusive o modelo realizado no PR vai virar referência nacional", comentou.

Com informações: Assessoria de Imprensa.

PUBLICIDADE

Recomendados