PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Etapa Rio São Jorge encerra circuito Corridas na Roça 2021

Ponta Grossa

25 de outubro de 2021 11:03

Da Redação


Relacionadas

Caminhão tomba e motorista morre em rodovia de PG

Prefeitura de PG aplica 2ª dose da Coronavac na terça-feira

Instituto Pedro Gaspar realiza ação ‘Anjos do Bem’ em PG

Indivíduo morre esfaqueado na região central de PG
Homem morre atropelado por trem neste sábado em PG
Presidente do PSOL vem a PG na próxima semana
PG volta a obrigar o uso de máscaras em ambientes abertos
Depois da Cachoeira da Mariquinha e do Distrito de Uvaia, o cenário do domingo de chuva foi a Cachoeira do Rio São Jorge Foto: Assessoria de Imprensa
PUBLICIDADE

Última etapa ocorreu nesse domingo, e mesmo com chuva, circuito fecha três etapas com total de 1.500 atletas.

Depois da Cachoeira da Mariquinha e do Distrito de Uvaia, o cenário do domingo de chuva foi a Cachoeira do Rio São Jorge, para encerramento do Circuito Corrida na Roça 2021. Ainda na manhã de domingo, o trajeto da corrida e da caminhada tiveram que ser modificados, para segurança dos atletas. De acordo com Varlei Pacheco, da direção de segurança da prova, poucas horas antes da prova, equipe da organização e a Federação de Atletismo optaram pela mudança. “O percurso foi adaptado, os atleta vão até a Usina do Pitangui, por conta das chuvas da madrugada e da manhã de domingo, que aumentaram a intensidade do rio e por questão de segurança foi definida a alteração, que reduziu um pouco o nível de aventura e das paisagens mais exóticas da prova, mas o atleta pode conferir, ainda, o peculiar cenário dos Campos Gerais”, explica.

Israel Silva, um dos primeiros atletas a concluir o percurso, declara que em alguns trechos teve que reduzir o ritmo da corrida. “Alguns locais de subida ficaram escorregadios por conta da chuva, mas o fato de não ter sol realmente foi bastante favorável”, destaca o atleta.

Lindamar Candeo, 40 anos, já participou de outras etapas na Roça, e veio mais uma vez de Curitiba para buscar superação. Ele não conhecia as paisagens da Cachoeira do Rio São Jorge e acha que a chuva trouxe mais emoção à prova. “Correr no seco é normal, a chuva realmente foi um dos grandes diferenciais”, enfatiza.

Valmir da Silva, morador de Ponta Grossa, participou das três etapas de 2021. “A prova da Corrida na Roça é sempre um desafio e a chuva foi até bom para dar uma relaxada e baixar a poeira”, confirma.

Kelli Cristina Rodrigues Coga, de 34 anos, veio da Lapa para a corrida e trouxe a esposa, Michele Rodrigues Coga, para curtir a corrida na Roça. Elas chegaram na cidade no sábado e aproveitaram o fim de semana também para um descanso. “Com a chuva ficou mais divertido o trajeto, pura emoção, com certeza vamos voltar e trazer mais atletas da nossa região”, define Kelli. Elas não conheciam a paisagem da Cachoeira do Rio São Jorge. “Lugar muito lindo pra passar um dia em família, com certeza a gente volta aqui pra passear”, confirma Michele.

Marina Souza é de Ponta Grossa, mas não conhecia a Cachoeira do Rio São Jorge, e participa das corridas na roça pela segunda vez. “A prova foi muito organizada, a chuva trouxe mais emoção, foi maravilhoso conhecer este lugar”, descreve.

Elaine Ribeiro da Cruz correu o percurso de 7 quilômetros, com o esposo, e desta vez ficou na torcida pelo filho João Gabriel, de 7 anos, que pela primeira vez participou da Corrida Kids. “O trajeto foi tranqüilo, largamos antes e não pegamos chuva e hoje encerramos as três etapas de corridas na Roça, com essa paisagem perfeita, que eu já conhecia, mas há 18 anos não vinha visitar, e agora estamos tendo ainda a oportunidade de conhecer mais detalhes dos atrativos turísticos”. E o pequeno João Gabriel já acompanhava os pais na corrida, mas dessa vez tomou a iniciativa de participar. “Esperamos ele decidir correr e vai ser a primeira de muitas”, destaca a mãe corredora.

Kleber William Caizeiro diz que a chuva ajudou a tornar a corrida mais desafiadora. Ele é pontagrossense, mas não conhecia a Cachoeira do Rio São Jorge. “Valeu muito a pena, e com certeza vamos curtir o dia aqui”, acrescenta.

Gracieli Pires Vieira veio de Curitiba com mais 28 atletas. Eles chegaram em um microônibus para participar da prova. “Achei que essa foi a prova mais difícil da roça até agora, sol não apareceu, mas a paisagem é muito linda, valeu demais o domingo”, conta.

De acordo com Kleber Cavali, da Cavali Pró Eventos, a chuva não impediria a realização da prova, apenas trouxe mudanças de última hora, para garantir a segurança de todos os atletas. “Tivemos menor número de participantes por conta da chuva, de 10% a 15% dos inscritos acabaram não comparecendo, mas todos que vieram se divertiram bastante, e a Corrida na Roça é uma festa, pessoal vem pra brincar, trazer a família, em um ambiente agradável, que depois da corrida podem curtir um almoço diferenciado no restaurante do atrativo turístico, ainda as cachoeiras e a gente frisa que os atletas tragam a família para o evento que é de esporte, turismo e lazer”, enfatiza.

Ainda segundo Cavali, a ideia para o ano de 2022, que já está em planejamento, é exportar a Corrida na Roça para outras cidades. “A região é muito rica em belezas naturais, tem cidades próximas que querem receber a Corrida na Roça, como Carambeí, Arapoti, Palmeira, Colônia Witmarsum, e a expectativa para 2022 são as melhores”, complementa Cavali, confirmando que as três etapas do circuito somaram mais de 1.500 atletas participantes das corridas de 7 quilômetros e das caminhadas de 5 quilômetros e ainda da Corrida Kids.

Os três eventos têm apoio da Lei Municipal de Incentivo a Eventos Geradores de Fluxo Turístico, com aprovação do Conselho Municipal de Turismo. “Vimos o potencial turístico do evento, e a meta foi alcançada, ainda mais nesta última etapa, que cerca de 40% dos inscritos são de fora, então como organizadores fizemos a nossa parte de promover o turismo e o esporte, cumprindo também todos os protocolos de segurança sanitária, exigidas pelos órgãos de saúde”, finaliza.

Informações Assessoria de Imprensa

PUBLICIDADE

Recomendados