PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Professores de PG defendem manutenção da TV Educativa

Ponta Grossa

01 de dezembro de 2021 18:06

Rodolpho Bowens


Relacionadas

CEI da Saúde apresentará relatório final em fevereiro

Rapaz nega ser autor do homicídio na Palmeirinha

Leandro anuncia recursos para construção de arena em PG

Triângulo Carnes é sinônimo de economia e qualidade em PG
Valor lançado em IPVA na região é de R$ 342 mi em 2022
Em PG, Sicredi será a instituição financeira com mais agências
Filipe Barros anuncia pré-candidatura ao Governo do PR
Professores da UEPG e da UniSecal se manifestaram sobre o PL 339/2021. Foto: Divulgação.
PUBLICIDADE

Docentes de Jornalismo são contra o projeto de lei apresentado pela prefeita Elizabeth Silveira Schmidt (PSD)

Os docentes do Curso de Jornalismo da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) e do Centro Universitário Santa Amélia (UniSecal) pedem que a prefeita de Ponta Grossa, Elizabeth Silveira Schmidt (PSD), retire a proposta de lei que deve resultar na desestruturação do que resta da TV Educativa de PG – mais informações clique aqui.

O Projeto de Lei nº 339/2021, apresentado à Câmara Municipal de Ponta Grossa (CMPG) pela prefeita, pretende acabar com a TV Educativa de Ponta Grossa (TVE PG), embora não diga textualmente, retirando qualquer apoio à Fundação Educacional de Ponta Grossa (Funepo), responsável pela gestão da emissora pública na cidade.

Segundo o projeto, a atual prefeita pretende cortar totalmente os subsídios garantidos por lei, transferir os servidores concursados para a Prefeitura e extinguir os cargos de comissão, sob a justificativa de que a Funepo, órgão que gesta a TVE, é de direito privado e não público. Há alguns anos, ao ser consultado, o Ministério Público já havia orientado sobre a manutenção da atual conformação jurídica. Se a proposta de lei for aprovada, a TV Educativa não terá condições de operar sem investimentos do poder público.

O que para a atual administração da Prefeitura de Ponta Grossa é gasto quando se refere à TV Educativa, para outros é investimento em cultura, memória e educação. Mesmo sofrendo por anos sem apoio e recursos, com quadro de pessoal concursado reduzido e com muitos cargos comissionados, e operando por doações, foi por meio da TV Educativa que as crianças da rede municipal acompanharam as aulas durante a pandemia, minimizando prejuízos do ensino remoto.

A história da TV Educativa, apesar de ser negligenciada por sucessivos governos municipais (na Prefeitura de Ponta Grossa desde 2003), é fundamental para o fomento da cultura, registro memorial e informação jornalística da cidade e região. Se o orçamento municipal é escasso, bastaria cortar alguns dos cerca de 300 cargos comissionados e planejar concurso para contratar profissionais e ampliar os serviços da TVE PG.

Os professores e as professoras de Jornalismo da UEPG e da UniSecal solicitam que a prefeita, que foi professora na cidade, reavalie a intenção de desmontar a Funepo, pois tal iniciativa apenas abre um caminho sem volta que pode fechar a TVE, um patrimônio da história, vida e cultura de Ponta Grossa. E, da mesma forma, pedem que os vereadores da cidade devolvam a proposta ao executivo municipal.

Pela garantia de recursos públicos à Funepo e em defesa da TVE. Concurso público para recompor quadro efetivo da Educativa, através da Funepo. Essas são condições necessárias para garantir a existência deste importante espaço de informação, educação e cultura de Ponta Grossa.

Entenda toda a situação acessando aqui.

Com informações: Assessoria de imprensa.

PUBLICIDADE

Recomendados