PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Heineken conclui aporte e se prepara para nova expansão

Ponta Grossa

21 de dezembro de 2021 19:00

Fernando Rogala


Relacionadas

Acidente na PR-151 deixa homem entre a vida e a morte

Corpos sob viaduto e homicídio marcam a sexta em PG

Prefeitura realiza evento sobre saúde mental

Casos da covid-19 dobram e ligam alerta em PG
La Belli Master Hall promove festa com diversas atrações nacionais
Prefeitura apresenta ‘Salve Celular’ no Regente Feijó
Estacho e Stocco garantem recursos para o Esporte de PG
Investimento iniciado em 2020 foi concluído neste ano de 2021 Foto: Julio Cesar Rosas
PUBLICIDADE

Após suspender aporte em Minas Gerais, empresa investirá para ampliar capacidade produtiva na cidade


A Heineken concluiu as obras de ampliação na fábrica de Ponta Grossa, iniciadas em 2020, consolidando um aporte anunciado de R$ 865 milhões. A informação foi confirmada à reportagem do Jornal da Manhã e Portal aRede pela assessoria de imprensa da empresa, em uma nota oficial. Contudo, os investimentos não param por aqui: novos anúncios serão revelados em breve, de forma que a planta aumente ainda mais sua capacidade produtiva para 2023.

Essa nova expansão não era algo previsto pela Heineken – pelo menos para um futuro próximo. Acontece que o Grupo Heineken tinha anunciado um investimento em uma nova planta fabril no município de Pedro Leopoldo, na região metropolitana de Belo Horizonte, Minas Gerais. Contudo, a área onde seria construída a fábrica fazia parte da APA Carste de Lagoa Santa, em uma região onde foi encontrado o fóssil humano mais antigo da América (cerca de 13 mil anos), o crânio de ‘Luiza’, como foi batizado. Diante de um diálogo sobre os diferentes entendimentos de órgãos envolvidos e da sociedade em geral, relacionados à proximidade do terreno com a área de preservação ambiental e arqueológica, a empresa optou por desistir do investimento no local. 

Sem essa nova cervejaria, a Heineken confirmou que irá ‘repor’ o volume de produção demandado pelo mercado com novas ampliações – e é aqui que se encaixa a fábrica ponta-grossense. À imprensa, o grupo informou que o volume previsto para 2023, quando a unidade de Pedro Leopoldo entraria em operação, será inteiramente compensado por meio de investimentos adicionais na expansão da capacidade produtiva de outras cervejarias do Grupo, como a de Ponta Grossa. “Temos um plano agressivo de crescimento e já estamos em busca de um novo terreno no estado de Minas Gerais. Nossos clientes e consumidores têm o nosso compromisso”, destacou Mauro Homem, diretor de assuntos corporativos da cervejaria.

Como o aporte de R$ 865 milhões já foi concluído, essa demanda adicional, que seria suprida pela fábrica mineira, será suprida por novos aportes. Mais detalhes, como valor do investimento ou prazo para a realização das obras, no entanto, não foram confirmadas à reportagem. “A companhia informa que, oportunamente, anunciará mais detalhes sobre as novas movimentações previstas para essa unidade para atender à demanda prevista para 2023”, retornou a assessoria de imprensa.  


Capacidade de produção na cidade foi ampliada em 75%

O investimento de R$ 865 milhões, anunciado em 2020 e concluído neste ano de 2021, foi realizado com o objetivo da empresa aumentar em 75% da capacidade de produção da unidade. O objetivo foi ampliar a fabricação de cervejas premium, principalmente da marca Heineken, bem como a expandir a capacidade na categoria de cervejas mainstream (segmento médio de mercado), de marcas puro malte como Amstel e Devassa. A ampliação também marcou o início da fabricação de um produto então inédito no Brasil, a Heineken 0.0%. A partir dessa expansão, Ponta Grossa se tornou a 3ª maior operação do grupo cervejeiro no Brasil.

PUBLICIDADE

Recomendados