PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

PG tem 17 mil famílias na fila por moradia popular

Ponta Grossa

04 de janeiro de 2022 20:08

Rodolpho Bowens


Relacionadas

Ponta Grossa sedia Circuito de Xadrez neste sábado

Moradores da Ronda pedem melhorias para rua do bairro

Rodrigo Manjabosco é ouvido pela CPI da Saúde

Festas religiosas movimentam três paróquias da região
Passeio ciclístico inaugura ciclofaixa em Ponta Grossa
Santa Casa realiza solenidade com deputado Plauto Miró
Prefeitura aumenta repasses para 23 entidades sociais de PG
PUBLICIDADE

Segundo o último Plano Estadual de Habitação de Interesse Social (PEHIS), Ponta Grossa é a 4ª cidade do Estado com o maior déficit habitacional

Com a possibilidade de extinção da Companhia de Habitação de Ponta Grossa (Prolar), por meio do Projeto de Lei (PL) nº 341/2021, aproximadamente 17 mil famílias ainda aguardam para ter acesso a uma moradia popular - ativos, 9 mil cadastros e 8 mil inativos. O número de 17 mil foi confirmado pela ex-presidente da Prolar, Marinês Viezzer. A ‘Companhia’, criada em 13 de setembro de 1989, tem o objetivo de equacionar o déficit habitacional da cidade - atualmente, Ponta Grossa é o 4º município do Paraná com o maior déficit habitacional.

Os cadastros ativos são aqueles em que as pessoas procuram a Prolar, todo ano, para fazer a atualização. Já os inativos, são as pessoas que demonstram o interesse, mas acabam não voltando para manter os dados cadastrais atualizados. Neste ano, a ‘Companhia’ terá um novo diretor: Maurício Silva, ex-secretário de Administração da Prefeitura Municipal de Ponta Grossa (PMPG). O Portal aRede tentou contato com ele, mas não obteve uma resposta até o fechamento da notícia.

Para tentar diminuir esse déficit, a Prolar trabalhou de 2013 a 2020 com auxílio do Governo Federal. Simultaneamente, a ‘Companhia’ realizou vendas de lotes sociais a pessoas selecionadas por meio do cadastro social. A média tem sido 100 lotes vendidos por ano, após 2016 - antes, a Prolar entregava mais de 300 lotes por ano. Além disso, em 2017, ela começou a trabalhar com regularização fundiária. Porém, os frutos dessa iniciativa começaram a ser sentidos somente no último ano.

Ainda, outro projeto que busca diminuir esse déficit habitacional é o repasse da Prefeitura dos vazios urbanos para a Prolar. Também, a ‘Companhia’ tem trabalhado com a retomada de imóveis daquelas pessoas que abandonam suas casas ou não constroem em seus lotes. Nesse último caso, são feitas 50 retomadas por ano.

Déficit no Paraná

De acordo com o último Plano Estadual de Habitação de Interesse Social (PEHIS) – um novo deve acontecer em 2023 –, o estudo periódico da Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar) mostra que Ponta Grossa é o 4º município com maior déficit no Paraná, com 23.656 unidades, das quais 165 são para domicílios rurais. Portanto, a cidade responde por aproximadamente 6,68% do déficit habitacional no Paraná. As informações são da assessoria de imprensa da Cohapar.

A ‘Companhia’ também possui um cadastro aberto para o Município, mas ele se restringe a projetos como o ‘Condomínio do Idoso’, cuja seleção é do Estado, e à modalidade de concessão de subsídios do programa ‘Casa Fácil Paraná’, que concede R$ 15 mil para abatimento do valor de entrada em imóveis financiados pela Caixa. Para estes públicos, o cadastro da Cohapar em Ponta Grossa conta atualmente com 2.746 inscritos.

Parque das Andorinhas

Em 4 de dezembro, famílias ocuparam o ‘Parque das Andorinhas’, em Ponta Grossa - local que pertence a Prolar é não é utilizado há dez anos. Lideradas pela Frente Nacional de Luta Campo e Cidade (FNL), a ocupação Ericson Jhon Duarte já conta com 700 famílias sem teto ocupando o terreno. As informações são da assessoria de imprensa da ocupação. Elas reivindicam uma moradia popular. Entretanto, após conversas com a PMPG, uma resolução para o caso segue ainda sem data definida.

PUBLICIDADE

Recomendados