PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Violência em PG não é responsabilidade da FNL

Ponta Grossa

18 de janeiro de 2022 17:16

Da Redação


Relacionadas

Após 25 anos, Delegado Marcus Sebastião deixa a Polícia Civil

Simepar prevê temperatura de 1ºC em PG nesta terça-feira

Profissão gari: conheça o dia a dia destes profissionais em PG

PRF faz operação em PG de combate à violência sexual
GM apreende jovem com drogas em sacola em Uvaranas
Carro fura preferencial e deixa motociclista ferida em PG
UBS Sady Silveira funcionará 24h para atender crianças
A FNL luta pela justiça social, por moradia, terra, trabalho e liberdade. Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Frente  Nacional de Lutas Campo e Cidade de Ponta Grossa diz que cenário é de vulnerabilidade social e pede comprometimento das autoridades na solução de problemas


Em nota enviada na tarde desta terça-feira (18), ao Portal aRede e ao JM, a direção da Frente  Nacional de Lutas Campo e Cidade de Ponta Grossa, faz uma advertência às autoridades da cidade, sinalizando que ‘não basta combater violência com mais violência. Não adianta mais aparato policial, armas e amendrontamento aos pobres.  A solução virá somente com políticas públicas que recuperem a empregabilidade, combatam a fome e a miséria. Somente assim é que a violência vai ceder’.

O posicionamento da Frente ocorre num período muito sensível em Ponta Grossa, por conta da explosão da taxa de homicídios.

Leia, na íntegra, a nota da Frente Nacional

A violência explode em Ponta Grossa. O fato é que a desigualdade se acentua e o desemprego toma conta. Ao lado da fome, pobreza e miséria estão a violência e a criminalidade.

A miséria em Ponta Grossa, desde o início da pandemia, aumentou 48%, chegando a mais de 13 mil famílias. Não é por acaso que em meio a esta situação, observa-se uma crescente onda de mortes em Ponta Grossa.

E não basta combater violência com mais violência. Não adianta mais aparato policial, armas e amendrontamento aos pobres.

A solução virá somente com políticas públicas que recuperem a empregabilidade, combatam a fome e a miséria. Somente assim é que a violência vai ceder.

A 10 anos atrás haviam inúmeras placas nas cidades dizendo: temos vagas.

Hoje o cenário é de muita vulnerabilidade social.

Dessa maneira, a FNL organiza a ocupação do terreno abandonando a mais de 10 anos pela PROLAR, com o objetivo também de denunciar a falta de políticas públicas de habitação pela PMPG.

Percebe-se que ao menos livrando o dinheiro do aluguel, as pessoas têm uma chance de se alimentar um pouco melhor e escapar do fardo do aluguel ou de morar de favor, ou ainda da insegurança de morar nos fundos de vales e beira de arroios.

A FNL luta pela justiça social, por moradia, terra, trabalho e liberdade.

Assim não aceitamos que nossa luta seja taxada nas colunas policiais. A violência nos bairros de Ponta Grossa é anterior a ocupação no Andorinhas.

A FNL cobra dos poderes públicos uma atitude mais enérgica para resolver os problemas sociais graves que aumentam vertiginosamente em nossa cidade.

Direção da Frente  Nacional de Lutas Campo e Cidade de Ponta Grossa.

PUBLICIDADE

Recomendados