PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Cesta básica em PG fica 46,40% mais cara em dois anos

Ponta Grossa

24 de janeiro de 2022 18:27

Fernando Rogala


Relacionadas

UBS Sady Silveira funcionará 24h para atender crianças

Princípio de incêndio mobiliza bombeiros no centro de PG

Vídeo mostra ação de bandidos em tabacaria de PG

Motorista dorme ao volante e capota carro em rodovia de PG
Programa amplia ações de combate à fome em PG
Acidente no Jardim Carvalho deixa um ferido
Feto é encontrado em caixa de recicláveis em PG
Produtos ficaram mais caros na comparação do que era cobrado antes da pandemia Foto: Arquivo aRede
PUBLICIDADE

Ponta-grossense gasta R$ 751,04 para comprar os itens básicos. Valor é R$ 238,05 mais alto que em janeiro de 2020


Comprar os itens básicos no mercado para o período de um mês está mais caro neste mês de janeiro para quem mora em Ponta Grossa. O valor necessário para adquirir os 33 itens que compõem a cesta básica do ponta-grossense passou a custar R$ 751,04 na primeira semana de janeiro, valor que representa uma alta de 1,91% em relação ao que era cobrado na primeira semana de dezembro de 2021. É o maior valor nominal já alcançado pela cesta básica na cidade. Na comparação anual, com janeiro de 2021 (R$ 657,48), a alta é de 14,2%, percentual que fica baixo quando há a comparação com janeiro de 2020, quando o valor era de R$ 512,99, o que significa um aumento de 46,40% no período de dois anos. Os dados são do Núcleo de Economia Regional e Políticas Públicas da Universidade Estadual de Ponta Grossa (Nerepp-UEPG).

Na comparação com os anos anteriores, é notável a perda do poder de compra dos moradores da cidade quanto a esses itens, no estudo avaliado para uma família com três pessoas. Ao se comparar esses valores com os salários mínimos, também é possível observar que as famílias mais impactadas por essa alta nos preços são as que têm ganhos mensais menores. Por exemplo, uma família que tinha ganhos mensais de um salário mínimo em janeiro de 2020 (R$ 1.045), gastava menos da metade desse salário, 49%, para comprar os 33 itens, sobrando R$ 532,01 para outros gastos. 

Agora, porém, em janeiro desse ano, com um salário mínimo em R$ 1.212, o ponta-grossense precisa despender 62% desse valor (R$ 751,04) para a compra dos itens, o que significa que sobra apenas R$ 460,96 para outros gastos. O detalhe é que a inflação, nestes dois anos, subiu 16%, o que mostra que o poder de compra está ainda menor. 

Quando se trata de valores absolutos, na comparação com dezembro, quando a cesta básica estava custando R$ 736,95 na cidade, o aumento no gasto no mercado é de R$ 14,09 em janeiro deste ano. Na comparação anual, com janeiro de 2021, a compra dos itens está R$ 93,56 mais cara, enquanto que quando há a comparação com janeiro de 2020, no período pré-pandemia, a compra dos 33 itens está R$ 238,05 mais cara. Entre os itens com maior variação de preço neste período estão o arroz e o óleo de soja. 

Cabe destacar que essa pesquisa mensal do Nerepp caracteriza o consumo básico de alimentação, higiene e limpeza de famílias que são residentes em Ponta Grossa, conforme pesquisa de hábitos realizada pela UEPG, que levou em conta as compras realizadas mensalmente por famílias com renda de 1 a 5 salários mínimos.


Maior parte dos produtos teve alta em apenas um mês

Conforme o levantamento desta primeira semana de janeiro, entre os 33 itens pesquisados, 21 tiveram alta nos preços, 9 caíram e 3 permaneceram com preço constante. O item que mais aumentou foi a batata, com 71,33%, e o de maior queda foi o arroz, com 3,46%. Dos cinco grupos que compõem a cesta básica, o que apresentou maior aumento em seus valores foi o grupo de hortifrutigranjeiros, com 21,48%. O grupo de alimentação geral teve um aumento de 1,23%, e dentro deste, o café foi o produto responsável pela maior variação positiva, de 5,46%. O grupo carne teve uma queda de 1,50%, enquanto que o de limpeza teve uma alta de 1,91%, onde o sabão em pó teve uma alta de 6,28%. Já o grupo higiene teve uma alta de 0,60%, na qual o creme dental teve aumento de 6,04%,

 

| Foto:
 


PUBLICIDADE

Recomendados