PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Cesta básica de PG sobe mais que o dobro da inflação

Ponta Grossa

06 de maio de 2022 08:42

Fernando Rogala


Siga o a rede no Google News

Relacionadas

‘Prof. Marli’ deixa as salas de aula após 46 anos

Partes do Centro de PG estão sem água neste domingo

Corrida na Roça tem inscrições abertas da Etapa Mercenários

Vítima de acidente trágico na Souza Naves é identificado
GM atende ocorrência de agressão na 'Praça dos Polacos'
Vários veículos atropelam e matam pedestre em PG
Projeto ‘Médicos na Rua’ acontece em PG neste domingo
Os produtos do grupo de alimentação geral tiveram a maior alta no decorrer de abril, com aumento médio de 2,78% Foto: Arquivo JM
PUBLICIDADE

Entre junho de 2021 e maio de 2022, altas foram mensais. Aumentos somaram 22,91% no período. Inflação acumulada em 12 meses está em 11,3%


Por mais um mês consecutivo, a compra dos produtos considerados da cesta básica para os ponta-grossenses subiu. O levantamento mensal, realizado pelo Núcleo de Economia Regional e Políticas Públicas da Universidade Estadual de Ponta Grossa (Nerepp-UEPG), aponta que os moradores da cidade passaram a gastar R$ 819,12 para comprar os itens de primeira necessidade nos mercados do município nesta primeira semana de maio. Na comparação com a primeira semana de abril, quando o valor gasto para adquirir os mesmos 33 itens foi de R$ 809,59, houve um aumento de 1,17%, ou seja, R$ 9,53 a mais.

No período de um ano, desde os preços coletados na primeira semana de junho de 2021, em todos os meses houve aumentos nos preços. Neste mês no ano passado, a aquisição dos 33 produtos foi orçada em R$ 663,43, o que significa uma elevação de 22,91% nos preços no período. Isso representa uma média de aumento superior ao dobro da inflação média observada no país atualmente – de acordo com o último levantamento revelado pelo IBGE, o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), que mede a inflação oficial do país, apontou uma alta recorde em março, totalizando um aumento acumulado de 11,3% nos últimos 12 meses. Em valores, os ponta-grossenses passaram a desembolsar R$ 152,69 a mais no período de um ano para comprar os produtos.

Porém, quando a comparação é um pouco maior, compreendida desde o mesmo mês de maio em 2020, observa-se uma elevação ainda maior nos preços: na época, a cesta básica custava, em média, R$ 575,47 nos supermercados, ou seja, R$ 243,65 mais barato do que nos dias de hoje. Em termos percentuais, houve um aumento de 42,33% nos valores gastos neste período de dois anos. 

No decorrer de abril deste ano, segundo a pesquisa, a maior parte dos itens teve reajuste para cima: 19 subiram e 14 tiveram queda nos preços. O produto que mais teve aumento nos preços foi a cebola, com alta de 53,44%, ao passo que outro produto do grupo de hortifrúti teve a maior retração nos preços, o tomate, de 24,83%. Entre os cinco grupos de produtos, o que apresentou maior aumento em seus valores foi o grupo de alimentação geral com 2,78%, seguido pelo grupo de higiene, com alta de 1,89%; e pelo grupo de limpeza, com incremento de 0,46%. O grupo de carne teve baixa de 1,58%, e o de hortifrutigranjeiros uma retração de 1,68%.


Compra dos produtos representa 67,58% do salário mínimo

De acordo com a pesquisa, os ponta-grossenes estão precisando comprometer um percentual cada vez maior do seu salário para adquirir os produtos de primeira necessidade (alimentação, limpeza e higiene). O levantamento aponta que uma família que tem o rendimento mensal de apenas um salário mínimo (R$ 1.212), gastaria cerca de 67,58% de sua renda na aquisição dos 33 itens. Em outras palavras, sobrariam apenas R$ 392,88 para gastar com todas as outras despesas, inclusive as relacionadas ao lar e transporte. Para uma família que ganha o equivalente a dois salários mínimos (R$ 2.424), o valor gasto com a cesta básica seria 33,79% da renda mensal.

PUBLICIDADE

Recomendados