PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Exportações de PG somam R$ 2,27 bi no 1º quadrimestre

Ponta Grossa

12 de maio de 2022 20:04

Fernando Rogala


Relacionadas

PG aplicará vacina meningocócica C em crianças

Paróquias reforçam campanha de valorização do idoso

Matrículas para EJA em colégios estaduais começam hoje

Grupo Heróis da Alegria realiza Arraiá Solidário em PG
Prefeitura conclui obras da extinta CPS em bairros de PG
Parque Vila Velha realiza arraiá junino neste fim de semana
Clientes 'prendem' homem após roubo em trailer de lanches
As grandes empresas moageiras dominam as exportações do município, com participação de 76% no comércio exterior Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Valor é o terceiro mais alto para o período na história da cidade. Soja e derivados dominam o comércio exterior do município


As exportações originárias de Ponta Grossa, neste primeiro quadrimestre de 2022, estão 24,6% superiores às registradas no mesmo período em 2021. Números da Balança Comercial, revelados pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Governo Federal, apontam que entre janeiro e abril, US$ 459,8 milhões em produtos foram comercializados para outros países, valor que corresponde a R$ 2,27 bilhões, com base no dólar convertido a R$ 4,943 no último dia de abril. Em valores, isso corresponde a uma alta de R$ 474,4 milhões na comparação com o montante de R$ 1,79 bilhão exportado no primeiro quadrimestre do ano passado. Como as importações atingiram o montante de R$ 1,43 bilhão, o saldo da balança comercial ficou positivo em R$ 834,5 milhões.

Esse valor do comércio exterior consolida Ponta Grossa na quarta posição estadual no ranking das exportações, com uma participação de 5,9% do total de negócios feitos com outros países. Ponta Grossa está apenas atrás de Paranaguá (onde tem o Porto), de Maringá, e Curitiba (a capital paranaense). Mesmo em âmbito nacional, Ponta Grossa assegura a 50ª posição, com uma participação de 0,5%. Ou seja: a cada R$ 200 em produtos exportados para outros países, R$ 1 é de riquezas originárias da cidade.

No acumulado do ano, o valor de R$ 2,27 bilhões é o terceiro maior da história para o período no município, atrás apenas dos R$ 2,55 bilhões acumulados de janeiro a abril de 2017, e aos mesmos R$ 2,27 bilhões de 2008 (a diferença foi de apenas R$ 484 mil). Especificamente no mês de abril, foram comercializados R$ 624,4 milhões em produtos, valor um pouco inferior aos R$ R$ 636,6 milhões. Ainda assim, é o segundo maior valor dos últimos cinco anos. Na comparação com o mês imediatamente anterior, março, quando foram exportados R$ 644,1 milhões, também houve uma leve retração, de 3%.

Entre os produtos, foram enviados 195 itens distintos para outros países. O principal é o farelo de soja, com R$ 1,33 bilhão comercializados, montante que representa 59% do total exportado. Na sequência, aparece o óleo de soja, com R$ 294,4 milhões, e participação de 13%. Se a esses dois produtos for somado a soja em grãos, o quarto produto mais vendido, com R$ 96,1 milhões, o complexo soja atinge um valor de exportação de R$ 1,72 bilhão, correspondendo a 76% do total comercializado. Fora o complexo soja, se destacam as embalagens Tetra Pak (R$ 165,8 milhões), painéis de madeira OSB (R$ 87,6 milhões), álcoois (R$ 48,7 milhões) e ferramentas (R$ 33,8 milhões).


Destinos são diversificados

Quanto aos países, há uma grande diversidade de destinos. Diferente dos anos anteriores, em que a China dominava o percentual, neste ano a liderança é da Índia, que absorveu 9,7% das exportações locais. Na sequência apareceu a Espanha, com 9,3%, e a Coreia do Sul, com 9,1%. A Indonésia foi a quarta, com 8,7%, e a Polônia a quinta, com 8,5%, para só então aparecer a China, com 8,1%. Na sequência aparecem a Eslovênia (5%), França (4,1%) e Países Baixos (3%), para só então aparecer o primeiro país das Américas, a Argentina e a Colômbia, para onde foram 3% dos produtos.

PUBLICIDADE

Recomendados