PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Cultura prevê reforma de bens históricos de PG

Ponta Grossa

17 de maio de 2022 19:02

Patricia Lucini


Siga o a rede no Google News

Relacionadas

Briga de cachorros termina com dois homens feridos

Morte de engenheira da Prefeitura de PG causa comoção

PG amplia investimentos na área de educação

Nova turma do Programa ‘Decola’ inicia na quinta-feira
Morre rapaz que foi alvejado por tiros em avenida de PG
Acuidar PG é referência no cuidado em domicílio
Arraiá do Colégio Alfa arrecada doações para entidades de PG
Depois de reformada, Estação Paraná abrigará museu ferroviário Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Objetivo é comemorar os 200 anos de PG com preservação do patrimônio edificado

A Secretaria de Cultura de Ponta Grossa está programando a revitalização de importantes bens históricos da cidade, como a chaminé das Indústrias Wagner, no complexo Jovanni Masini, e da Estação Paraná. Segundo o secretário municipal de Cultura, Alberto Schramm Portugal, o propósito da administração municipal é chegar aos 200 anos de Ponta Grossa com soluções importantes no que diz respeito à identidade local e a preservação do patrimônio edificado. “O objetivo é promover o resgate e preservação da história da cidade para que ao chegar em seus 200 anos, a cidade conte com estes imóveis, tão relevantes para sua história, revitalizados”, frisa.

Segundo o secretário, por se tratarem de imóveis históricos e tombados, as obras exigem trabalhos técnicos mais minuciosos que os convencionais. “Nos dois casos, precisamos de laudo técnico de empresa de engenharia especializada para então poder contratar projetos para os trabalhos e orçar as obras. E, no caso da Estação Paraná, por ser imóvel tombado pelo Estado, é necessário ainda autorização da Coordenadoria de Coordenação do Patrimônio Cultural do Estado”, explica. Conforme o secretário, o engenheiro civil João Hamilton Mendes está auxiliando na elaboração de projetos e representantes da Associação de Preservação do Patrimônio Cultural e Natural (APPAC) também contribuem no trabalho.

“São bens extremamente importantes para a história da cidade e que retratam o desenvolvimento da história de Ponta Grossa. Portanto, há grande complexidade de manejo nestes bens, sendo necessário um grande reforço técnico”, expõe Portugal.

A Estação Paraná abrigava a Casa da Memória; mas em 2020 o acervo foi transferido para espaço ao lado da Mansão Vila Hilda, porque o imóvel já não tinha condições de abrigar o acervo. “Pretendemos que depois de feita a reforma, na Estação Paraná seja implantado o Museu Ferroviário de Ponta Grossa”, aponta o secretário.

A chaminé das Indústrias Wagner é tombada pelo Patrimônio Histórico de Ponta Grossa. As antigas instalações da indústria foram inauguradas em 1943, tendo como ramo de produção compensados para a forma de concreto. Já a Estação Paraná foi inaugurada em 1894, para ser sede da primeira Estação Ferroviária de Ponta Grossa. Servia de embarque e desembarque de passageiros, bem como para o transporte de cargas.

Mansão Vila Hilda será reformada

O secretário de Cultura de Ponta Grossa, Alberto Schramm Portugal, adianta que ainda neste ano a prefeitura deve abrir processo licitatório para melhorias na Mansão Vila Hilda já que, segundo ele, o memorial já foi aprovado pelo Governo do Estado. As obras de revitalização devem incluir reformas na parte externa do prédio, com pintura, raspagem, enxerto em determinados lugares, entre outras ações.

Construída em 1926 por Alberto Thielen, industrial, comerciante e figura de destaque na história de Ponta Grossa, o casarão de 600m², com influência da arquitetura francesa neoclássica e art-nouveau foi tombado como Patrimônio Cultural do Paraná em 1990.

 

PUBLICIDADE

Recomendados