PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Advogada de PG é ‘espionada’ em banheiro de posto

Ponta Grossa

19 de maio de 2022 16:06

Da Redação


Relacionadas

Ponta Grossa sedia Circuito de Xadrez neste sábado

Moradores da Ronda pedem melhorias para rua do bairro

Rodrigo Manjabosco é ouvido pela CPI da Saúde

Festas religiosas movimentam três paróquias da região
Passeio ciclístico inaugura ciclofaixa em Ponta Grossa
Santa Casa realiza solenidade com deputado Plauto Miró
Prefeitura aumenta repasses para 23 entidades sociais de PG
Advogada fez fotos da porta de vidro do banheiro Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Fato constrangedor ocorreu nessa quinta-feira (19). Porta do banheiro é de vidro e raspagens permitem observações internas

Uma advogada de Ponta Grossa viveu uma situação constrangedora no banheiro de um posto de combustíveis de Ponta Grossa, na manhã dessa quinta-feira (19). Ao sair do sanitário, ela percebeu uma mancha na porta de vidro, que se tratava de uma raspagem na pintura, o que torna esse ponto transparente, podendo ver de fora tudo o que acontece no banheiro, como se fosse um ‘olho mágico’.

“Fiquei nervosa. Vi que havia outras raspagens, mas me chamou atenção essa, pois ela dá visão direta ao sanitário. Senti-me um lixo”, relata a mulher, que costuma ir ao posto com frequência. “Na pressa, nem sempre tomamos o cuidado de verificar essas coisas e nem deveríamos nos preocupar com isso. Mas, parece que para uma mulher fazer uma coisa simples, de ir ao banheiro, até para isso ela precisa ter cautela”, acrescenta, revoltada com a situação.

A mulher reitera que qualquer pessoa, que esteja do de fora, pode não apenas observar, como também filmar o interior do banheiro, através da raspagem. “Penso que alguém mal-intencionado, que esteja circulando na loja de conveniência, pode fingir estar aguardando na fila quando, na verdade, está com um celular filmando. Qualquer pessoa pode encostar o celular nessa raspagem e filmar”, comenta.

A advogada, que também é assessora parlamentar, conclui que o episódio se trata de uma situação de violência. Sendo assim, deverá encaminhar uma ação criminal e cível, para que a empresa seja punida pelo ato invasivo e evitar que outras mulheres passem pelo mesmo constrangimento.

PUBLICIDADE

Recomendados