PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Ponta Grossa tem o maior PIB industrial do interior do PR

Ponta Grossa

24 de maio de 2022 20:59

Fernando Rogala


Siga o a rede no Google News

Relacionadas

Rotariano de PG ganha prêmio de doador extraordinário

Operação Ferro-Velho combate furto de metais em PG

Aliel anuncia mais de R$ 8 milhões em recursos para PG

Polícia Civil prende três pessoas associadas ao tráfico em PG
PG lança nova rota de cicloturismo no domingo
Novo teto salarial do Mercado Família entra em vigor
Casa do Acolhimento abre para pessoas em situação de rua
José Loureiro, secretário municipal de Indústria, Comércio e Qualificação, destaca inúmeros benefícios da industrialização na cidade Foto: Arquivo JM
PUBLICIDADE

Valor Adicionado da indústria, de quase R$ 4,6 bilhões, revelado no último PIB, é o 53º maior do Brasil. Dia da Indústria é celebrado nesta quarta-feira


Nesta quarta-feira, dia 25 de maio, é celebrado o Dia da Indústria. É a data de um dos setores mais representativos para a economia ponta-grossense, que gera cerca de 30% do Produto Interno Bruto (PIB; ou seja a soma da geração de todas as riquezas) municipal, setor que movimentou R$ 4,6 bilhões (Valor Adicionado Bruto da Indústria) em 2019, ano do último levantamento oficial, divulgado pelo IBGE. Ponta Grossa tem o maior parque industrial do interior do Paraná – o Valor Adicionado da indústria dos outros municípios mais industrializados do interior, Londrina e Maringá, por exemplo, atingiu R$ 3,2 bilhões.

Esse valor do PIB coloca Ponta Grossa na 53ª no ranking nacional no âmbito da geração de riquezas na indústria, com uma participação de 0,33% de toda a produção industrial nacional. Ou seja: a cada R$ 300 gerados em riquezas no ramo industrial no país, R$ 1 sai de Ponta Grossa. Entre os outros maiores municípios paranaenses, apenas Araucária e São José dos Pinhais têm na indústria a sua maior fonte de geração de riquezas. Em Ponta Grossa, a indústria fica atrás do setor de serviços em geração de riquezas, mas entre elas é a única que tem a indústria na segunda colocação: Cascavel, Curitiba, Guarapuava, Londrina e Maringá têm no comércio a sua segunda maior fonte de riquezas, atrás do setor de serviços.

Essa industrialização em Ponta Grossa despontou ainda no século XIX, com a instalação da cervejaria que viria a se tornar a Adriática, no centro da cidade, em 1894. A industrialização ‘explodiu’ na cidade entre o final dos anos 1960 e início dos anos 1970, com a instalação das grandes moageiras (Cargill, Sanbra [hoje Bunge] e Coimbra [hoje Louis Dreyfus]), no primeiro ciclo industrial. A industrialização acelerou com o segundo ciclo, a partir da segunda metade dos anos 1990, com Kaiser [hoje Heineken], Tetra Pak, Continental, Masisa [hoje Arauco], entre outras; e posteriormente com o terceiro ciclo, iniciado em 2011, e que segue até hoje, com anúncios de expansão e novos aportes, como DAF, Ambev, Madero.

José Loureiro, secretário municipal de Indústria, Comércio e Qualificação Profissional, destaca que essa industrialização foi fundamental para o crescimento de Ponta Grossa nos últimos anos, acima da média estadual e nacional, especialmente pela geração de riquezas e movimentação econômica que as indústrias trazem. “Buscamos sempre trazer indústrias porque, além de gerar impostos para o município, que é importante, fomenta a geração de emprego, o que é muito relevante. Uma indústria movimenta, de forma direta e indireta, 300, 400, 500, até mais de mil vagas de emprego, e como a indústria paga mais que outros setores, Eleva o potencial de consumo, e ajuda a cidade a se desenvolver, movimentando o comercio e os serviços”, destacou.


Industrialização traz benefícios sociais

O secretário José Loureiro reforça que a industrialização também traz benefícios sociais. “Indústrias geralmente têm planos de saúde e de odontologia, e com isso ele e a família não ficam dependendo dos postos de saúde, e isso ajuda o município”, alega o secretário. “Por isso é melhor conceder benefícios fiscais e perder receitas por alguns anos, porque ao atrair indústrias, vamos gerar muitos empregos, que vão movimentar a economia e retornar com outros impostos, como o ISS que os terceiros vão gerar, ao trabalhar para essas indústrias. E aí começa o ciclo de desenvolvimento”, conclui.


Investimentos em execução em PG passam de R$ 4 bilhões

A cidade de Ponta Grossa segue em fase de grande industrialização. Entre as indústrias que realizam ampliações estão a Heikenen, a Ambev, a Continental, a DAF, o Madero, a Makita, a Agrocete, a Águia, a Biofragrane e a Chesiquímica, totalizando investimentos que superam os R$ 2 bilhões. Entre novos investimentos em execução estão os R$ 102 milhões investidos pela Tatra, em uma fábrica de caminhões; os R$ 460 milhões da Unium, em uma queijaria; e o montante de R$ 1,6 bilhão, inicial, da Maltaria Campos Gerais, projeto da intercooperação. Esse projeto, no entanto, alcançará R$ 3 bilhões em sua segunda fase, projetado para ser concluído até 2032. Além disso, o município aguarda a resposta da Nissin, que projeta investir até R$ 1 bilhão em uma nova indústria, que pode ser na cidade; assim como a resposta da Ambev, que investirá R$ 870 milhões em uma fábrica de vidros no Paraná.


Tetra Pak, Heineken e Ambev lideram em geração de riquezas 

Em 2020, a empresa que teve o maior valor adicionado (lucro bruto) foi a Tetra Pak. A empresa de embalagens liderou o ranking com mais que o dobro de vantagem sobre a segunda colocada, a cervejaria Heineken, ao passo que a terceira colocada foi a cervejaria Ambev. As duas cervejarias, aliás, são as empresas da cidade que mais pagam ICMS para o estado, imposto que retorna em 25% para os municípios. Depois, no ranking do VA, aparecem a Continental, a Crown, a Bunge, a Cargill, a Louis Dreyfus e a LP Brasil.



PUBLICIDADE

Recomendados