PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Aneel mantém bandeira tarifária verde para junho

Ponta Grossa

28 de maio de 2022 07:59

Da Redação


Relacionadas

Moradores da Ronda pedem melhorias para rua do bairro

Rodrigo Manjabosco é ouvido pela CPI da Saúde

Festas religiosas movimentam três paróquias da região

Passeio ciclístico inaugura ciclofaixa Estelio Viatroski
Santa Casa realiza solenidade com deputado Plauto Miró
Prefeitura aumenta repasses para 23 entidades sociais de PG
Suspeito de matar diretor de obras é identificado pela polícia
Bandeira verde será mantida pelo segundo mês consecutivo Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Com isso, não haverá cobrança extra na conta de luz no próximo mês. Bandeira Escassez Hídrica durou de setembro de 2021 a abril deste ano

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) decidiu acionar a bandeira verde no mês de junho para todos os consumidores conectados ao Sistema Interligado Nacional (SIN). De acordo com a agência, dessa forma, não haverá cobrança extra na conta de luz no próximo mês.

É o segundo anúncio de bandeira verde realizado pela Aneel desde o fim da Bandeira Escassez Hídrica, que durou de setembro de 2021 até meados de abril deste ano. Em maio, a agência já havia acionado a bandeira verde. Segundo a Aneel, na ocasião, a bandeira verde foi escolhida devido às condições favoráveis de geração de energia.


Bandeiras Tarifárias

Criadas em 2015 pela Aneel, as bandeiras tarifárias refletem os custos variáveis da geração de energia elétrica. Divididas em níveis, as bandeiras indicam quanto está custando para o SIN gerar a energia usada nas casas, em estabelecimentos comerciais e nas indústrias.

Quando a conta de luz é calculada pela bandeira verde, significa que a conta não sofre qualquer acréscimo. Quando são aplicadas as bandeiras vermelha ou amarela, a conta sofre um acréscimos, que variam de R$ 1,874 por 100 quilowatt-hora (kWh) consumido a 9,492 por 100 kWh.

O Sistema Interligado Nacional é dividido em quatro subsistemas: Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Nordeste e Norte. Praticamente todo o país é coberto pelo SIN. A exceção são algumas partes de estados da Região Norte e de Mato Grosso, além de todo o estado de Roraima. Atualmente, há 212 localidades isoladas do SIN, nas quais o consumo é baixo e representa menos de 1% da carga total do país. A demanda por energia nessas regiões é suprida, principalmente, por térmicas a óleo diesel.


As informações são da Agência Brasil

PUBLICIDADE

Recomendados