PUBLICIDADE

Ponta Grossa terá o primeiro IML universitário do Brasil

Obra terá investimento aproximado de R$ 14 milhões e tem previsão de início para este ano; local será instalado no Campus Uvaranas da UEPG

Imagens do projeto do novo IML na Universidade Estadual de Ponta Grossa
Imagens do projeto do novo IML na Universidade Estadual de Ponta Grossa -

Rodolpho Bowens

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

Perto de completar 200 anos – nesta quinta-feira (15), Ponta Grossa faz 199 anos –, o Município avança para ter o primeiro Instituto Médio Legal (IML) universitário do Brasil. O projeto, idealizado pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), será custeado pela Secretaria da Segurança Pública (SSP) do Estado do Paraná e terá um investimento próximo de R$ 14 milhões. Em entrevista exclusiva ao Portal aRede, o reitor da Instituição de Ensino Superior (IES), Miguel Sanches Neto, afirmou que a obra terá início neste ano, com um prazo de execução de até um ano e meio.

O convênio que viabilizou esse projeto foi assinado em 30 de maio deste ano. O local, que será construído no Campus de Uvaranas da UEPG, será a sede da Polícia Científica (Instituto de Criminalística e IML) e de um Centro de Anatomia, que será utilizado para aulas e pesquisas desenvolvidas nos cursos de Saúde da Universidade ponta-grossense. No momento, o projeto está em fase licitatória, como explica o vice-reitor da UEPG, Ivo Mottin Demiate. “A proposta está pronta. A previsão é de iniciar o quanto antes e estima um ano, um ano e meio para funcionamento”. O investimento custará R$ 13.792.084,61.

Na época de anúncio do IML, a prefeita de Ponta Grossa, Elizabeth Schmidt (PSD), afirmou que essa iniciativa “era um dos grandes sonhos” da cidade. Desde agosto de 2018, as necropsias e exames vinham sendo realizados em um espaço provisório, em anexo ao Hospital Universitário Regional dos Campos Gerais (HU-UEPG). A estrutura foi erguida porque o prédio-sede, no bairro Nova Rússia, havia sido interditado para a realização de obras em um muro que ameaçava cair. Em 2020, uma empresa foi contratada, via licitação, fez a demolição do muro e ajustes no terreno.

Para o reitor da IES, a construção do IML, um projeto da UEPG, é uma conquista do Município. Além disso, em entrevista ao Portal aRede, Miguel lamentou que lideranças não quiseram, na época, trazer o IML para Ponta Grossa. “Grupos políticos foram contra a abertura do IML. Queriam que a gente continuasse com o velho IML. Essa dificuldade chega a ser depressiva”, explicou. Dentre as lideranças políticas que trabalharam no projeto do Instituto Médico Legal, o deputado estadual, Rodrigo Estacho (PSD), foi um dos que viabilizou a vinda da obra para Ponta Grossa.

Projeto

A nova edificação terá dois pavimentos, totalizando 2.818,49 metros quadrados. O térreo contará com uma área total de 2.658,60 metros quadrados e abrigará a unidade de Polícia Científica e o Centro de Anatomia da UEPG. Já o pavimento superior, com 161,89 metros quadrados, será de uso compartilhado.

A estrutura será composta por áreas de atendimento ao público, salas administrativas, protocolo e custódia de vestígios, consultórios, salas de exames, salas de necropsia, câmara fria, alojamentos e convivência, e salas de apoio técnico. O Centro de Anatomia terá salas de aula, auditório, refeitório, salas administrativas e salas de apoio técnico.

Sobre essa novidade, o diretor-geral do Instituto Médico Legal do Paraná (IML-PR), André Ribeiro Langowski, destacou os benefícios da iniciativa. “Não é só um avanço na questão arquitetônica, predial, mas um avanço de conceito, com a medicina legal integrada à academia. A estrutura permitirá a chegada de novos equipamentos que ainda não existem em Ponta Grossa. Agora, além de fazer perícia, vamos fazer ciência”, destacou.

Local terá dois pavimentos, totalizando 2.818,48 metros quadrados.
Local terá dois pavimentos, totalizando 2.818,48 metros quadrados. |  Foto: Divulgação.
  
PUBLICIDADE

Conteúdo de marca

Quero divulgar right

PUBLICIDADE