PUBLICIDADE

Comércio projeta melhor Dia dos Crianças dos últimos anos

Perspectiva é de que seja o melhor ano de vendas desde 2016, quando a série histórica de pesquisas foi iniciada pela Fecomércio

Para 55,6% dos entrevistados, os brinquedos são o principal tipo de presente escolhido
Para 55,6% dos entrevistados, os brinquedos são o principal tipo de presente escolhido -

Fernando Rogala

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

O comércio deverá ter, neste ano de 2022, um dos melhores períodos de vendas já registrados para o Dia das Crianças. Sondagem realizada pela Federação do Comércio do Paraná (Fecomércio PR) e pelo Sebrae aponta que 74,4% dos paranaenses pretendem presentear nesta data. É o maior percentual da série histórica. Além disso, o tíquete médio, ou seja, o valor que deve ser gasto por presente, também foi o maior já registrado até hoje, estimado em R$ 156,58, em média. A data é celebrada no dia 12 de outubro, junto com o feriado nacional cristão de Nossa Senhora Aparecida, que neste ano cai na quarta-feira.

A perspectiva de um ano memorável em vendas também é prevista para a região de Ponta Grossa. “Também esperamos essa média aqui em Ponta Grossa. E as lojas também já estão vendendo muito brinquedo. Falei com lojistas e todos estão felizes, vendendo bem. Está melhor não só que 2020 e 2021, que foram anos impactados pela pandemia, mas também está melhor que 2019”, ressalta José Loureiro Neto, presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Ponta Grossa e Região (Sindilojas PG). O valor do tíquete médio, na pesquisa estadual, entre 2016 e 2021, variou entre R$ 83,95 e R$ 112,93.

De acordo com Loureiro, o fluxo maior e as vendas em alta estão sendo registradas desde o final de setembro. “As lojas já estão há duas semanas nesse ritmo”, disse, mas reconhecendo que o maior fluxo de vendas deverá ocorrer a partir desta sexta-feira (7). Loureiro, que também é empresário na área de produtos para festas, dono de uma distribuidora, reconheceu que a loja está com fluxo alto e as vendas cresceram bastante nos últimos dias, especialmente doces.

Para o coordenador de Desenvolvimento Empresarial da Fecomércio PR, Rodrigo Schmidt, a maior intenção de presentear neste ano no Dia das Crianças pode ser atribuída, entre outros fatores, à maior circulação de pessoas comparativamente aos dois anos anteriores, bem como percepção de melhora da conjuntura macroeconômica pela população. “Existe também neste momento uma disposição maior para as celebrações, que ficaram um tanto quanto represadas durante o período mais crítico da pandemia”, disse. “As crianças, em especial, foram bastante impactadas neste período, mas houve, em termos gerais, um fortalecimento das relações entre pais e filhos, o que explica esta disposição maior de comemorar esta data tão importante para o varejo nacional, que se traduz em presentes, passeios, promoção de brincadeiras, viagens, aquecendo assim o consumo de bens e serviços”, completa.

Brinquedo será preferência dos presentes

De acordo com a pesquisa, para 55,6% dos entrevistados, os brinquedos são o principal tipo de presente escolhido, mas perderam um pouco do destaque na comparação com o ano passado, quando receberam 62,9% das menções. Por outro lado, roupas e calçados tiveram aumento em relação ao 2021, passando de 27,8% para 45,7%. Os jogos educativos, que tiveram grande procura no ano passado, com 30,9% das citações, este ano tiveram apenas 9,6%. Eletrônicos como videogames, notebooks, tablets e celulares devem ter a comercialização ampliada, ao passarem de 5% em 2021 para 8,5% neste ano. Dar dinheiro para a criança escolher o que quiser será a opção de 7,5%. Já os livros e afins caíram consideravelmente, baixando de 17,4% no ano passado para 5,1% nesta edição do Dia das Crianças.

Maior parte das compras ocorrerá em lojas de bairros

Pela primeira vez na série histórica, as lojas de bairro serão o local preferido para as compras dos presentes do Dia das Crianças, com 26,1%. Em 2021, o comércio de bairro recebeu apenas 8,9% do fluxo nesta data, o que, segundo o consultor do Sebrae/PR, Lucas Hahn, evidencia a migração do movimento das regiões centrais das cidades para os bairros em decorrência da pandemia, gerando novas oportunidades de negócios, principalmente para as micro e pequenas empresas, que caracterizam o comércio de bairro. As lojas do centro das cidades são a escolha de 20,6% dos consumidores ouvidos este ano, enquanto a internet é mencionada por 24,1% e, os shoppings, por 18,9%.

 
Movimentação nacional deve superar R$ 13,6 bi

Pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) em todas as capitais, aponta que o Dia das Crianças deve movimentar R$ 13,68 bilhões no comércio. O valor para 2022 é maior do que em 2021, que foi de R$ 10,93 bilhões, o que representa um incremento de 19,7%, ou seja, R$ 2,7 bilhões. Segundo Alshop (Associação Brasileira de Lojistas de Shopping) , cerca de 73 milhões de consumidores devem ir às compras nesta semana.

PUBLICIDADE

Conteúdo de marca

Quero divulgar right

PUBLICIDADE