Amamentei e agora estou com os seios caídos! O que fazer?

RC Bem Estar

13 de março de 2019 13:10

Da Redação

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Ninfoplastia pode ser feita a laser e anestesia local

Distúrbios de ansiedade e depressão têm relação

Excesso de exercícios afeta órgãos vitais

Aproveite o inverno para clarear manchas na pele
Como lavar os cabelos corretamente
Usar colírio na gravidez pode prejudicar o bebê
Candidíase ganha novo tratamento
Foto: Divulgação Pixabay
PUBLICIDADE

Cirurgião plástico explica como funciona o procedimento conhecido como mastopexia 

A amamentação é muito importante para a saúde da mãe e do bebê e, principalmente para o desenvolvimento do vínculo entre eles. Porém, muitas mulheres se queixam que o aleitamento as deixou com as mamas caídas e flácidas. O problema, que pode realmente acontecer, pode ser corrigido com uma cirurgia plástica conhecida como mastopexia, que tem como objetivo levantar as mamas e devolver a autoestima das mamães.

Segundo o médico e cirurgião plástico, doutor Marco Cassol, o procedimento pode ser feito com segurança depois que acabar o período de aleitamento. “A mastopexia é uma cirurgia para remover a pele extra dos seios, erguê-los e remodelá-los, tornando-os mais jovens. Além disso, pode ser feita com ou sem implantação de prótese de silicone”, explica. 

Quando o procedimento é realizado com implante, o objetivo é dar volume à mama. “Nesse caso, removemos o excesso de pele, reposicionamos o tecido mamário e colocamos o silicone para dar forma aos seios”, esclarece o doutor. 

A cirurgia é feita sob sedação e pode durar entre três e quatro horas.  As cicatrizes podem ser em forma de T invertido, que é a mais comum; L invertido; cicatriz vertical ou ao redor das aréolas. Segundo Cassol, o que define a escolha é a quantidade de pele e o grau da queda da aréola. 

Em relação ao pós-operatório, é preciso tomar cuidado ao levantar o braço durante duas semanas; evitar esforços, como caminhadas longas ou subir escadas; não fumar durante a recuperação, pois o tabagismo prejudica a cicatrização; dormir de barriga pra cima nos primeiros 30 dias; evitar exposição solar nos três primeiros meses após a cirurgia e usar o sutiã cirúrgico 24 horas por um mês.

Além disso, o cirurgião explica que essa mudança nas mamas acontece porque há uma atrofia mamária pós-gestacional, ou seja, uma regressão de toda a estrutura glandular da mama, totalmente natural e esperada, mas que pode causar alterações estéticas como a flacidez, que incomodam muitas mulheres.

Informações Assessoria de Imprensa

PUBLICIDADE

Recomendados

IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização
aRede aRede
aRede
aRede