Alunos do Infantil IV atuam como cientistas em Carambeí

Vamos Ler

22 de abril de 2019 00:00

Dhiego Tchmolo

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Histórias redundem em teatro e entrevista

Desenhos com giz levam alunos ao mundo da imaginação

Roleta da Tabuada contribui em ensino matemático

Turmas se unem pelo Dia das Mães em PG
Trabalho sobre povos africanos tem cobertura de 3º ano
Notícia e JM orientam turma em estudos
Alunas de Castro entrevistam carteiros
PUBLICIDADE

Atividade desenvolvida na Escola Evangélica contou com experimentos de bolhas de sabão e registro em vídeo por uma das alunas

O ensino de Ciências teve amplo destaque junto ao Infantil IV matutino da Escola Evangélica de Carambeí. Quem destaca as ações desenvolvida junto aos pequenos alunos é a professora da turma, Natali de Fátima dos Santos, abordando os ganhos e a importância do tema já nos primeiros anos escolares.

“É comum as crianças fazerem várias indagações a respeito de diferentes fenômenos científicos que ocorrem em seu cotidiano, exteriorizando a sua percepção em relação ao universo. O trabalho que desenvolvemos com as crianças toma essas indagações como norte durante a esquematização do planejamento das aulas com o objetivo de tornar as crianças protagonistas do processo de aprendizagem”, comenta a docente.

Sob o mesmo pressuposto, Natali aponta que a escola precisa motivar e esclarecer dúvidas, curiosidades do gênero, de forma sistematizada. “Durante o momento de higienização das mãos, observei o quanto é prazeroso para as crianças ver as bolhas de sabão se formando e, então, perguntei como achavam que as bolhas se formavam”, aponta a professora.

As respostas, dessa forma, variaram entre ‘mágica’, precisa esfregar bem as mãos e pronto’, ‘minha mãe disse que tem que ter um sabão especial’, entre outras, conforme explica Natali. “Ao fazer o planejamento da semana seguinte, considerei tais hipóteses e propus, em uma das atividades, descobrir como as bolhas se formam. Os alunos realizaram todo o processo de forma autônoma, trabalhando juntas”, complementa a docente.

Assim, a professora pôde, como mediadora, indagar os alunos para que eles se atentassem às transformações que diferentes elementos acrescentando a água criam. Buscando trazer ainda mais dinâmica a atividade, uma das estudantes, Maria Antônia Ceccon Peroni, fez a gravação das atividades - que possibilitou, segundo Natali, um sentimento nos alunos de verdadeiros cientistas ao assistirem o vídeo.

“Para inserir a criança no universo das ciências é preciso aproveitar o que está ao entorno dela e trabalhar conceitos que sejam significativo para o mundo infantil, sempre a partir de uma proposta investigativa que possibilite a organização de suas experiências. Assim, futuramente, elas terão mais facilidade para compreender conceitos científicos que serão aprendidos em segmentos posteriores”, conclui a professora.

Confira o relato completo da docente e as fotos no blog escolar da Escola Evangélica de Carambeí. Clique aqui.

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização
aRede aRede
aRede
aRede