Ovos e omelete permitem trabalho com vogal ‘O’

Vamos Ler

12 de junho de 2019 17:17

Dhiego Tchmolo

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Atos ambientais ampliam perspectivas em Tibagi

Reciclagem de isopor une turmas de 3º ano

‘Sorriso Infantil’ contribui em hábitos de higiene bucal

Trabalho sobre moradias tem cobertura de 5º ano A
Projeto resgata valores de Jaguariaíva
Retratos de PG marcam homenagem de 5º ano
Aspectos e belezas de PG são retratados em poemas
PUBLICIDADE

Alunos do Infantil IV vespertino da Escola Evangélica de Carambeí aprenderam, deliciaram-se com receita e ainda participaram de jogo sobre o tema

As vogais estão entre os principais conteúdos trabalhados na Educação Infantil. Buscar métodos que estimulem os pequenos alunos a compreenderem sobre o tema é indispensável para o aprendizado. E, no Infantil IV vespertino da Escola Evangélica de Carambeí a professora da turma, Roselia Fidelis, encontrou uma forma diferente de aplicar a vogal ‘O’ em sala.

“O de ‘OvO’. Não somente isso, mas O de omelete, O de oportunidade para brincar, criar, construir e desenvolver inúmeras atividade que facilitam a aprendizagem de forma significativa e prazerosa. Foi exatamente nessa proposta que a professora Roselia Fidelis trabalhou a vogal ‘O’ com a sua turma do Infantil IV vespertino”, conta a docente sobre o início do trabalho.

O tema iniciou através de um questionamento e desafio da professora: os alunos precisavam pronunciar palavras que iniciavam com essa vogal e, conforme explica Roselia, imediatamente surgiu a palavra ovo, seguida do termo omelete. “Quanta oportunidade, não é mesmo? A professora continuou questionando os alunos em relação às palavras, dando ênfase para omelete, já que esse foi o maior interesse da turma”, diz a professora.

Dessa forma, surgiram comentários como ‘eu gosto de omelete, sabia profe?’, ‘eu não gosto de ovo’, ‘profe, eu nunca comi omelete’. “E é claro que a professora não desperdiçou essa chance de trabalhar o gênero receita, a origem dos ingredientes utilizados - de onde vêm - abordando também os cuidados necessários com os alimentos, a higiene, a segurança, a paciência no preparo e a partilha com os amigos”, aponta Roselia.

Assim, a turma foi convidada a ‘quebrar alguns’ ovos na cozinha experimental da Escola Evangélica de Carambeí, colocando em prática a descoberta e a discussão anterior em sala. O preparo contou com a participação de todos, observando a docente fritar o omelete e aproveitando o resultado.

“A letra O realmente oportuniza muito aprendizado. A turma aproveitou para brincar com ovo, sabe como? Com uma divertida - e difícil - corrida do ovo na colher. Para isso a professora trouxe ovos cozidos e os alunos tinham que, o mais rápido possível, levar com uma colher um ovo de um ponto a outro”, complementa a docente. O trabalho, elenca a professora, ajudou a trabalhar coordenação motora, equilíbrio, concentração, lateralidade, frustração, paciência, respeito e trabalho em equipe.

“Além disso, com as cascas dos ovos trazidos de casa, a turma criou lindas obras de arte, desenvolvendo a imaginação, a criatividade e a fruição ao observarem suas obras e dos amigos. Proporcionar momentos como esses são imprescindíveis para que as crianças se desenvolvam em todos os aspectos. È necessário dispor atividade que os motivem a querer aprender, a querer descobrir mais e mais”, conclui Roselia.

Acesse o blog escolar da Escola Evangélica de Carambeí para conferir essa atividade na íntegra. Clique aqui.

PUBLICIDADE

Recomendados

IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização
aRede aRede
aRede
aRede