Alternativas e estímulos contribuem em ensino de Matemática

Vamos Ler

29 de julho de 2019 15:56

Dhiego Tchmolo


Relacionadas

Materiais conscientizam sobre a Covid-19 em 5º ano B

Jornal ‘3º Ano News’ traz temas atuais em Carambeí

‘Google Forms’ é tema de aula em 5º ano de Jaguariaíva

‘Jornal Kids’ de Tibagi retrata a pandemia da Covid-19
Oitavo ano imerge dentro da cultura argentina em Carambeí
Docente destaca comunicação na vida dos alunos
Escola de Tibagi promove ‘festa junina’ online
PUBLICIDADE

Turmas do 1º ao 5º ano da Escola Evangélica de Carambeí incorporam conceitos matemáticos através de jogos e ferramentas pedagógicas diversificadas

O ensino matemático do 1º ao 5º ano da Escola Evangélica de Carambeí, sob supervisão da professora Ana Patrícia S. Rosa, conta com diversas mecânicas para a fixação de conteúdos. Através de uma proposta metodológica que busca facilitar a compreensão, a docente explica como o trabalho com Matemática é desenvolvida nas turmas do Ensino Fundamental I da instituição de ensino.

“O raciocínio-lógico é inerente à mente humana. No entanto, para que se desenvolva, precisa ser estimulado. A lógica fundamenta todo o raciocínio, não só o matemática. Sabendo dessa importância, nós da Escola Evangélica de Carambeí oportunizamos na disciplina de Matemática, aulas que possibilitam ao aluno pensar e ir a busca de diferentes alternativas para solucionar situações-problema de forma autônoma, permitindo que construa sua própria linha de raciocínio”, aponta Ana Patrícia.

A professora também elenca que a constatação de que o estudante é capaz de descobrir e solucionar questões do gênero são altamente estimuladora, o que auxilia na construção e solidificação da aprendizagem. Com esses pressupostos, na rotina escolar, há inúmeras atividades concretas com materiais diversificados, o que oportuniza experiência, questionamentos, comparações e descobertas primordiais nestas fases de escolarização, o que leva os educandos a entender a importância de compreender a Matemática.

“Trabalhamos constantemente para o desenvolvimento do raciocínio-lógico concreto, base para aprendizagem posterior, oferecendo a oportunidade de desenvolver sua estrutura lógica da forma mais ampla possível para que tenha muito mais facilidade em articular os conteúdos pedagógicos que lhes forem apresentados, passando a ser agente da sua aprendizagem”, complementa a docente.

Nas aulas de Matemática, explica Ana Patrícia, percebe-se também o desenvolvimento das habilidades socioemocionais, devido a participação de jogos e desafios onde precisa se respeitar as regras, além do trabalho em equipe e o aprendizado ao lidar com frustrações. Tudo voltado a busca de soluções e resultados em prol do objetivo proposto. Por fim, a docente conta que o momento do jogo é o mais esperado por todas as turmas.

“Essa forma de apresentar a Matemática facilita a compreensão e os resultados são visíveis e rápidos, visto que as aulas tornam-se prazerosas e com um tempo maior de atenção de atenção e concentração dos alunos aos conteúdos apresentados. Jogar, criar, descobrir, solucionar e interagir para aprender matemática, isso realmente faz diferença”, conclui a professora.

Acesse o blog escolar da Escola Evangélica de Carambeí para conferir a atividade na íntegra. Clique aqui.

PUBLICIDADE

Recomendados