Estudo sobre cavalos traz aspectos históricos em 2º ano C

Vamos Ler

23 de outubro de 2019 15:55

Dhiego Tchmolo


Relacionadas

Vamos Ler premia aluna de Tibagi por ‘melhor vídeo’

Prefeito e secretária de Jaguariaíva destacam conquista de aluna

Aluna de Jaguariaíva é premiada por ‘selfie digital’

Quarto ano de PG realiza amplo trabalho sobre trânsito
'Meio ambiente' traz trabalho cooperativo em 2º ano
Projeto leva música medieval ao CAIC de PG
Turma trabalha com ‘materiais do dia a dia’ em Piraí do Sul
PUBLICIDADE

Turma da Escola São Bento, através de relato de aluno e em sintonia com a BNCC, desenvolveu um amplo estudo sobre os animais e sua relação com o ser humano

O 2º ano C vespertino da Escola Municipal São Bento em Tibagi desenvolveu uma atividade, sob a coordenação da professora Maria Luiza Martins de Freitas, através de uma história contada por um dos alunos, Marcelo, sobre os animais que possui na chacará. A docente destaca como foi o projeto e quais os aspectos foram abordados em sala.

“Marcelo se encontrava em sua casa sentado e, de repente, ouviu um barulho das patas dos cavalos que iam passando correndo em frente à sua casa: “Pocotó, pocotó, pocotó”. Suas patas tem um casco muito forte, o barulho é alto. O menino chamou seu pai e seu padrinho para cercar os animais que estavam indo próximos ao asfalto, beirando a rodovia e estavam quase chegando ao pedágio”, aponta Maria Luzia.

Os fatos se sucedem até recuperar os animais, que tem o nome de Pintado e Chocolate. A professora elenca que dentro da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), há a possibilidade de reconhecer elementos já estudados, explorando os novos como base de análise em diferentes tipos de arte. Dessa forma, o relato de Marcelo veio a complementar outras iniciativas sobre animais, de interesse da turma, abrangendo a temática ‘meios de transporte’.

“Assim sendo, trabalhamos a questão dos animais como cavalo. Ele é um animal que antigamente era um meio de transporte muito importante para várias famílias. Mas primeiro tinha de ser adestrado por um profissional na área, que usava cabresto, rédea e montaria formada primeiro por uma bandana, um socado, mais uma bandana para firmar o socado, um pelego de carneiro e um chinchador para firmar o pelego. Ao montar no cavalo usava-se (e ainda usa-se) estribos nos pés para se firmar melhor”, complementa a docente.

Maria Luiza dá outras características sobre o tema da atividade: cavalos possuem muita força, sendo usados como meio de transporte, levando pessoas em carroças, charretes e puxando mercadorias em cargueiros. Utilizado por casais de noivos em estrutura enfeitadas para os levar até o casamento, além da célebre utilização por cavaleiros, com mala de couro para suas viagens, além de capa de chuva, roupas e mantimentos.

Ainda, a docente explica que o tema faz parte dos destaques da BNCC, que abordam socialização decorrente de festas e festejos, valorizando a preservação das tradições familiares, entre outros aspectos. Pontualmente, também há a diferença entre patrimônio material e imaterial, onde se reconhece as mais diferentes formas de cultura do país.

“Conversando com as pessoas de mais idade nos contaram que começaram a existir outros meios de transporte como caminhão, carros pequenos para passeios que eram uma das mais grandes novidades nos lugares. Pois era muito difícil ouvir-se um ronco de caminhão e também de carro de passeio. Quando se ouvia um ronco de caminhão ou de carro, as crianças corriam e subiam nas cercas de rachão para ver os veículos passarem na estrada de chão. E assim foi evoluindo o transporte cada vez mais e mais. Tanto que agora temos vários meios de transporte: terrestres, aquáticos e aéreos”, diz a professora.

A proposta do projeto, complementa Maria Luiza, foi que os alunos entendessem a importância de questões como o homem do campo e animais, companheiros que ajudam no trabalho. Novamente, utiliza as questões voltadas a BNCC e as habilidades presentes, que são desenvolvidas quando possibilitam que os alunos explorem elementos constitutivos de obras, onde desenvolvem suas produções de acordo com o que é observado e aprendem no espaço em que habitam.

“A cada dia os alunos queriam aprender mais, deixando o projeto bem significativo, incluímos nomes próprios, comuns, gêneros masculino e feminino. Ao finalizar o projeto cada aluno fez uma ilustração sobre o que foi estudado. Os alunos passaram a gostar mais e mais dos animais e saber que devemos tratá-los com amor e carinho, pois eles fazem parte da nossa vida e também sentem dor, têm sentimentos. Devemos amá-los e respeitá-los e nunca maltratá-los”, conclui a docente.

Confira essa e outras atividades na íntegra no blog escolar da Escola São Bento. Clique aqui.

PUBLICIDADE

Recomendados

IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização
aRede aRede
aRede
aRede