PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Pedagoga de Irati destaca rotina escolar na pandemia

Vamos Ler

12 de maio de 2021 16:05

Dhiego Tchmolo


Relacionadas

Dados demográficos estimulam pesquisa em Castro

Reportagem é tema central de aula em Irati

Alunos de Castro reconhecem 'diferenças' nos meios digitais

Cata-ventos marcam luta contra trabalho infantil em Irati
Turmas criam 'lambe-lambes' em dinâmica no Sagrada Família
Registro de objetos antigos marca estudo em Ipiranga
Textos instrutivos contribuem em aula no Sagrada Família
PUBLICIDADE

Escola Rural Esperança Carignano Chuilki conta com produção de vídeos, trabalhos impressos e grupos no WhatsApp para superar desafios e qualificar ensino

Os desafios impostos pela pandemia trazem um novo conceito ao ensino dos alunos, principalmente através das atividades remotas. Na Escola Rural Municipal Esperança Carignano Chuilki, no distrito de Guamirim em Irati, não é diferente: vídeos e materiais impressos, além de grupos no WhatsApp, ajudam a qualificar o ensino de todas as crianças. A coordenadora pedagógica Verônica Barbosa Furmanowicz comenta como a comunidade escolar vem se adaptando à realidade.

“A escola, diante do contexto escolar do ensino remoto na pandemia, visa buscar estratégias de ensino e metodologias diferenciadas voltadas ao desenvolvimento de um trabalho de forma mais lúdica, buscando recuperar um pouco da defasagem do ensino remoto, aproximando alunos e familiares, estreitando a comunicação com a equipe pedagógica, desenvolvendo um trabalho em parceria, buscando adaptar-se ao momento”, destaca a educadora.

Conforme explica a pedagoga, a organização do trabalho vem através de atividades impressas que são enviadas aos alunos que estão na aprendizagem remota, com aulas sendo preparadas com dinâmica e amplitude na ludicidade, através de videoaulas com explicações básicas. Após a postagem da aula, diariamente, os professores ficam disponíveis nos grupos de WhatsApp por turmas, para sanarem dúvidas, postarem explicações e materiais complementares”, pontua Verônica.

Aos que não possuem acesso à internet, vídeos gravados por professores e editados pela equipe pedagógica e administrativa, são carregados na escola, através de celulares ou pendrives, disponibilizando aos pais. Os materiais impressos contribuem para os alunos que não tem internet, garantindo a igualdade de ensino a todos. Segundo a educadora, mesmo na zona rural, o alcance é de quase 100% dos alunos que não possuem acesso à internet, atingindo a totalidade com os vídeos em pendrive.

Em complemento, vídeos e fotos enviadas pelos familiares ajudam a avaliar a execução de atividades e o processo de aprendizagem “Estes são devidamente arquivados em pastas de mídia, especificando atividade e datas, arquivados também como avaliações de acompanhamento do desenvolvimento e aprendizagem da criança. A correção, observações e apontamentos, tanto quanto do material impresso e dos arquivos digitas recebidos nos grupos, os professores têm utilizado as mídias digitais para fazer correções e devolutivas individuais mediando o processo de aprendizagem”, conclui Verônica. 

Acesse o blog escolar da Escola Rural Esperança CarignanoChuilki clicando aqui.

PUBLICIDADE

Recomendados