PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Videoaula do Vamos Ler auxilia no combate à dengue em Irati

Vamos Ler

21 de junho de 2021 16:52

Dhiego Tchmolo


Relacionadas

Ações ambientais contribuem com a fauna e flora da região

Adaptação marca festa junina em turma de Piraí do Sul

Práticas levam alunos a 'tour' pela história no Sagrada Família

Turma de Carambeí estuda e se diverte com festa junina
Projeto proporciona entrevistas com familiares em Jaguariaíva
Alunos de Irati transformam casas em cenários de histórias
Dia do Imigrante propicia estudos 'juninos' em Carambeí
PUBLICIDADE

Alunos do 5º ano da Escola Rural Esperança Carignano Chuilki atuaram como repórteres para mostrar como eliminam possíveis focos do mosquito Aedes aegypti em suas casas

Através da terceira videoaula do Vamos Ler – Geração Digital, os alunos do 5º ano da Escola Rural Municipal Esperança Carignano Chuilki, em Irati, desenvolveram mais um amplo trabalho de reportagem. O material, intitulado ‘Dengue: entenda os métodos para se prevenir e as características da doença’, foi destacado pela coordenadora pedagógica Verônica Barbosa Furmanowicz e a professora da turma Josnéia Aparecida Marcondes.

“Com base na videoaula três, foi realizada uma abordagem com os alunos sobre as ações que podem ser desenvolvidas para se prevenir, além de cuidados que são indispensáveis durante todo o ano em suas residências, a fim de evitar a proliferação do mosquito transmissor. Através da videoaula disponibilizada pelo projeto, foi possível perceber as características da doença e a importância da prevenção por se tratar de um grande problema que enfrentamos no Brasil durante todo o ano”, aponta Verônica.

A pedagoga faz pontuações sore a participação do coordenador de Zoonoses de Ponta Grossa, Leandro Inglês, convidado pelo projeto para falar sobre os casos em Ponta Grossa, além de ações preventivas e orientações ao longo do ano. Também, medidas de combate ao mosquito ajudaram a fazer a ponte junto com a turma, através da reflexão da situação em Irati, das ações e cuidados que não devem cair no esquecimento.

“A abordagem do repórter Dhiego Tchmolo, no vídeo sobre as doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti, dos sintomas similares entre as doenças como o zika vírus, chikungunya e febre amarela, auxiliou no alerta dos cuidados para a não proliferação do mosquito e consequentemente a não proliferação destas doenças. Buscamos oportunizar aos alunos estas e outras informações, auxiliando-os em sanarem suas dúvidas de quais são as melhores medida de prevenir e evitar a disseminação do mosquito”, explica a coordenadora.

Ainda, segundo Verônica, a proposta do projeto ajudou a relembrar as mais variadas ações que a escola desenvolveu anteriormente junto à comunidade a qual a turma está inserida, com saída para as ruas como trabalho de conscientização, que não vem sendo possível nesse momento. Para complementar, os alunos entenderam que a doença é causa por um vírus, assim como a covid-19, mas com uma transmissão diferente: pela picada do mosquito Aedes aegypti.

“Os sintomas da doença incluem febre, dores no corpo, dor de cabeça e manchas avermelhadas. Manifestações hemorrágicas, quando ocorrem, podem indicar um caso mais grave da infecção. Então, nossa abordagem se deu por meio digital e de conscientização pelos alunos em suas próprias residências. Foi disponibilizado no rupo de WhatsApp da turma a videoaula do projeto Vamos Ler – Geração Digital, vídeo explicativos, folder informativos e dicas de quais medidas adotar nas residência para que o mosquito não encontre locais de proliferar”, conclui a coordenadora pedagógica.

Professora cita trabalho

Josnéia também dá suas considerações: indica, por exemplo, que o interesse pelo tema vai de encontro com o foco de vários noticiários, além de afetar diretamente a população. Com a videoaula do Vamos Ler, os alunos puderam entender os cuidados simples, mas que podem ser eficazes para prevenir a doença.

“Foi realizado o desenvolvimento do trabalho com os alunos do 5º ano sobre conscientização e cuidados que podemos e devemos ter para evitar a dengue. Assim, cada aluno foi repórter, fiscalizando as dependências de suas residências, sobre possíveis focos do mosquito, principal agente transmissor da doença”, diz a docente.

Para fechar, a educadora comenta a atuação dos alunos e suas produções. “Os alunos, em suas reportagens em vídeos, explicaram que através de pequenos atos e gestos podemos fazer a diferença para evitar a proliferação do mosquito Aedes aegypti, que é conhecido popularmente como mosquito da dengue. Nesse sentido, o trabalho buscou sensibilizar e motivar os alunos, a respeito das condições em que o mosquito se desenvolve e todos os males que a doença provoca no âmbito social”, conclui Josnéia.

Acesse o blog escolar da Escola Rural Esperança Cargnano Chuilki clicando aqui.

PUBLICIDADE

Recomendados