Paródias retratam Fórmula de Bhaskara no Sagrada Família

Aplicação matemática clássica teve proposta divertida e protagonizada por alunos dos nonos anos da Sede Centro do Colégio de Ponta Grossa

VÍDEO
Aplicação matemática clássica teve proposta divertida e protagonizada por alunos dos nonos anos da Sede Centro do Colégio de Ponta Grossa | Autor: Dhiego Tchmolo

Dhiego Tchmolo

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

Aplicação matemática clássica teve proposta divertida e protagonizada por alunos dos nonos anos da Sede Centro do Colégio de Ponta Grossa

Os nonos anos do Colégio Sagrada Família de Ponta Grossa, Sede Centro, puderam trabalhar a Fórmula e Bhaskara por meio de paródias. A atividade foi realizada e teve a coordenação da professora Bruna Elizabeth Adamowicz da Luz, acompanhado e revisado pela colega Mônica Karoline de Lima, buscando ser um aprendizado matemático alternativo ao tradicional.

“A Fórmula de Bhaskara recebe esse nome no Brasil desde o final dos anos 60; porém, no restante do mundo, ela é conhecida como ‘Equação quadrática’ ou ainda ‘Equação de segundo grau’. Recebeu esse nome em homenagem a Bhaskara Acharya, um matemático indiano que viveu há mais de 900 anos e que contribuiu para diversos campos matemáticos como a trigonometria, cálculo, álgebra, sendo uma dessas contribuições o avanço nos estudos com as equações quadráticas”, destacam as docentes.

O relato pontua outras questões históricas deste conhecido método matemático: até o fim do século XVI “não se usava uma fórmula para obter as raízes de uma equação do segundo grau, simplesmente porque não se representavam por letras os coeficientes de uma equação. Isso começou a ser feito a partir de François Viete, matemático francês que viveu de 1540 a 1603. Assim, as professora pontuam que apesar da importância e da riqueza do trabalho de Bhaskara, seria incorreto atribuir a ele a famosa fórmula.

Mônica e Bruna complementam com outras informações, apontando que a fórmula é utilizada para resolução de equações quadráticas, para coletar duas raízes para um gráfico de parábolas. “Então, é comum perguntar para que serve isso, ou o famoso questionamento das salas de aula ‘Em que usarei isso na minha vida?’. A fórmula de Bhaskara é a primeira prova que se tem de que são necessárias pelo menos duas opiniões, visões, maneiras ou até mesmo verdades para resolver seus problemas. E, isso leva a refletir sobre aquele velho ditado sobre ‘os dois lados da moeda’”, relatam as educadoras.

Outros pontos são importantes nas falas das docentes: computação gráfica, desenvolvimento de jogos, eletrônica, sistemas de navegação, teoria musical, acústica, estatísica, equipamentos médicos, economias e outros campos de estudo, aplicações no mundo moderno, só são possíveis por utilizar Bhaskara e a trigonometria. “Se analisado mais a fundo, as funções derivadas de Bhaskara e das raízes quadráticas, a utilidade vai bem longe. Pode-se citar a criação do microchip, a análise de uma determinada aceleração, as órbitas planetárias, a teoria quântica, a teoria do caos, etc.”, explicam as professoras.

“Imagine o quão difícil é para um adolescente esse estudo, dentre outros inúmeros aprendizados pelos quais ele precisa passar no decorrer da sua vida escolar que não tem o mínimo de explicação possível para que ele se interesse ou pelo menos entenda o porquê. Portanto, diante do conteúdo Matemático “Equações do 2º grau”, a Fórmula de Bhaskara soluciona problemas que envolvem igualdade, incógnita (valor desconhecido) e de grau 2. Por isso, é de grande importância para o desenvolvimento dos conhecimentos dos alunos”, traz mais um conceito explorado por Bruna e Mônica.

Trabalho

Com todo este importante contexto teórico, muitas vezes deixado de lado, que foi pensada em uma proposta dinâmica, divertida e atrativa para os alunos do Colégio Sagrada Família terem uma aprendizagem significativa. Os professores Bruna Elizabeth Adamowicz da Luz, Marina Marra, Matheus Felipe Vaz e Rosilda Aparecida Chociai Scremin, todos da disciplina de Matemática, levaram os alunos das turmas a criarem uma paródia a partir da tradicional fórmula.

“Essa atividade cabe em diferentes realidades e torna o processo mais dinâmico e prazeroso. A elaboração da paródia é uma metodologia de ensino que ajuda o aluno, de forma lúdica, na construção do saber, na interação social entre colegas, no desenvolvimento de habilidades do trabalho em equipe, sabendo ouvir opiniões dos colegas, buscando um consenso para o resultado final”, elenca Bruna.

Para fechar, a proposta foi trabalhada de forma interdisciplinar com Arte e Português. Assim, pontua o relato das educadoras, houve o desenvolvimento simultâneo de várias áreas do saber. O resultado? Reunião dos alunos da Sede Centro no Salão Nobre do Colégio para realizaram a apresentação – esta prestigiada pelos colegas do 1º ano do Ensino Médio, professores, equipe de coordenação e direção.

Os comentários dos alunos você pode conferir clicando no link abaixo.

Acesse o blog escolar do Colégio Sagrada Família clicando aqui.