Turmas de Imbituva trocam cartas com colegas de PG

Gênero textual foi base de amplo trabalho de leitura e escrita por parte dos quintos anos da Escola Professor Jacob Brenner de Barros, em correspondências trocadas com a Escola Paulo Grott

Alunos foram aos Correios para 'selar' etapa da dinâmica
Alunos foram aos Correios para 'selar' etapa da dinâmica -

Dhiego Tchmolo

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

Os quintos anos da Escola Municipal Professor Jacob Brenner de Barros, em Imbituva, da professora Adriane Schroeder Lemos puderam trabalhar e se corresponder por meio de um gênero textual tradicional: as cartas, desenvolvendo habilidades na leitura e escrita. Segundo a docente, o projeto consiste na troca de correspondências entre as turmas e os quintos anos da Escola Municipal Paulo Grott, em Ponta Grossa.

“É consenso que uma das atribuições da escola é fazer com que os alunos tenham competência linguística para a produção de textos. O ato da escrita é, entre outras, uma das principais metas da atividade escolar, que implica os atos de pensar e planejar. Após o estudo do gênero textual, os estudantes das escolas envolvidas trocarão informações e experiências pessoais e escolares através da escrita de cartas mensais, onde serão enviadas pelos Correios”, aponta a educadora.

GALERIA DE FOTOS

  • Turmas de Imbituva trocam cartas com colegas de PG
  • Turmas de Imbituva trocam cartas com colegas de PG
  • Turmas de Imbituva trocam cartas com colegas de PG
  • Turmas de Imbituva trocam cartas com colegas de PG
  • Turmas de Imbituva trocam cartas com colegas de PG
  • Turmas de Imbituva trocam cartas com colegas de PG
  • Turmas de Imbituva trocam cartas com colegas de PG
  • Turmas de Imbituva trocam cartas com colegas de PG
  • Turmas de Imbituva trocam cartas com colegas de PG
  • Turmas de Imbituva trocam cartas com colegas de PG
  • Turmas de Imbituva trocam cartas com colegas de PG
  

Adriane explica que as cartas serão escritas em sala, com supervisão dos professores para correções necessário. No final do ano letivo os alunos de Imbituva e Ponta Grossa se conhecerão pessoalmente. “Neste processo de escrever, o estudante estará expressando diversas formas de pensar e sentir, onde também será despertada a curiosidade sobre o texto que irá receber dos seus colegas”, complementa a professora.

Por fim, haverá a avaliação dos alunos nos processos de escrita e, no final do projeto, haverá uma auto avaliação, “pois a escrita é também uma forma de autoconhecimento onde se expressam pensamentos e sentimentos”, conforme cita a educadora.

“A escrita, seja qual for, sempre foi uma maneira de representar a memória e as histórias vivenciadas pelas pessoas. Muitas vezes, ela serve como um tesouro que guarda a memória coletiva, religiosa, mágica, científica, política, artística e cultural. Ou seja, a escrita sempre vai nos dar a oportunidade de criar um baú de recordações e ensinamentos culturais. A escrita é uma das manifestações mais antigas da humanidade, ao lado da arte e da arquitetura”, conclui a docente.

Acesse o blog escolar da Escola Professor Jacob Brenner de Barros clicando aqui

Conteúdo de marca

Quero divulgar right