Frísia recebe prêmio reconhecido pela ONU

Agronegócio

06 de setembro de 2019 09:54

Fernando Rogala


Relacionadas

Paraná é reconhecido como Área Livre de Aftosa sem Vacinação

Produção de grãos será recorde no país neste ano

Faturamento da Capal cresce 40% no 1º semestre

Crea-PR reforça importância de responsável técnico
VBP do Paraná cresce 9% e atinge recorde de R$ 97 bi
Capal anuncia vencedores no Prêmio Leite de Qualidade
Soja gera R$ 3,28 bi em riquezas na região em 2020
Diego Takeshi Miyasaka, engenheiro ambiental da Frísia, recebeu a Menção Honrosa do Sesi ODS Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Pelas práticas sustentáveis, iniciativa visa a separação, coleta e entrega de resíduos veterinários para o correto tratamento; produtores rurais reuniram cerca de 24 toneladas do material

O trabalho de logística reversa realizado pelos cooperados da Frísia rendeu a Menção Honrosa do Sesi ODS, premiação-destaque entregue pelo Serviço Social da Indústria em favor dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Em 2018, período referente à inscrição do programa da cooperativa, foram coletadas 24,4 toneladas de resíduos. A entrega da homenagem, que inclui o selo ODS, será no dia 5 de setembro na sede da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), em Curitiba.

Considerado um dos melhores projetos em prol da sustentabilidade no Paraná, o programa Coleta Legal acontece desde 2014 junto aos associados com a coordenação do setor Ambiental e Florestal da Frísia. Nas propriedades, os 211 produtores participantes são orientados a fazer a correta separação dos materiais veterinários (tanto da bovinocultura leiteira quanto da suinocultura) até a destinação desses resíduos (alocados em bombonas) para uma empresa especializada em fazer o tratamento.

O engenheiro ambiental da Frísia, Diego Takeshi Miyasaka, explica que o programa Coleta Legal acontece três vezes no ano (março, julho e novembro). “Nós agendamos uma data e divulgamos aos cooperados. Nesse dia, passamos com um caminhão em locais e horários pré-determinados, normalmente nas lojas agropecuárias da Frísia, onde os cooperados entregam seus resíduos em bombonas”, afirma Miyasaka. Os produtores entregam bombonas cheias de frascos de medicamentos vazios, e levam as bombonas vazias para colocarem os frascos que irão gerar nos próximos meses.

O cooperado Wilant van den Boogaard é suinocultor e tem 220 matrizes em sua propriedade em Carambeí (PR). Participante do programa Coleta Legal desde o início, Boogaard leva de três a quatro bombonas por entrega, com resíduos variados, entre eles embalagens de medicamentos veterinários, pipetas de inseminação, e outros.

“Com o programa, acabou o problema sobre o que fazer com os resíduos. Antes, não tínhamos destinação correta, pois não é lixo urbano. Mas, com o Coleta Legal, temos local apropriado para descarte”, destaca o cooperado. “Esse é um trabalho que a gente deve estender aos nossos técnicos, que se empenham em organizar tudo e fazer com que tenhamos a consciência de que esse é um trabalho necessário”, reforça.

O produtor rural destaca a importância do reconhecimento da Fiep e do Sesi. “É algo gratificante, como cooperativa, como produtor. Todos nós estamos preocupados com o trabalho na propriedade e com o bem-estar ambiental”, destaca.


Agenda 30

A premiação, que é oferecida pela Fiep e Sesi no Paraná, reconhece os melhores projetos em diversos setores da sociedade que contribuem para o alcance dos objetivos e metas da Agenda 30 para o Desenvolvimento Sustentável no Brasil.

A Agenda 30 dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável faz parte de um protocolo assinado em 2015, por 193 países, durante a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU). Na ocasião, o Brasil assumiu o compromisso de adotar metas de desenvolvimento sustentável a serem alcançadas até 2030.

Informações da assessoria de imprensa

PUBLICIDADE

Recomendados