PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Vaca holandesa do PR recebe pontuação inédita no Brasil

Agronegócio

13 de julho de 2021 09:37

Da Redação


Relacionadas

Capal anuncia os vencedores do Prêmio Leite de Qualidade

Região sofre com perdas agrícolas na crise hídrica

Agroleite 2022 ocorrerá entre os dias 9 e 13 de agosto

Preços da soja ao produtor sobem 155% em 5 anos
IBGE prevê safra recorde de 256 milhões de toneladas
Castrolanda divulga finalistas do Troféu Agroleite
Castrolanda homenageia produtores no Dia do Agricultor
PUBLICIDADE

Animal é o primeiro no mundo da raça Doorman classificado com 97 pontos

A Halley Ruivinha Doorman 538 TE é a primeira vaca do Brasil a ser classificada com a pontuação máxima Ex97, que representa excelência e perfeição morfológica em animais adultos produtores de leite. No mundo, a fêmea é a primeira da raça Doorman a ser reconhecida com tal distinção. A avaliação é realizada anualmente pela Associação Brasileira de Criadores de Bovinos da Raça Holandesa (ABCBRH).

Os critérios analisados pelo órgão se baseiam no fenótipo e conformação do animal, priorizando 23 características de importância funcional e competência produtiva. “Nós já avaliamos cerca de 200 mil vacas holandesas no Brasil e esta é a primeira a alcançar os 97 pontos máximos, o que significa um animal com muita saúde, vida produtiva e longevidade”, afirma Altair Antonio Valloto, Superintendente Técnico e Administrativo da ABCBRH. 

Para Pedro Guimarães Ribas Neto, médico veterinário e classificador oficial da raça Holandesa no Brasil, a premiação reflete os cuidados na criação do animal. “É uma vaca realmente excepcional. Ela é de tamanho mediano, mas de extrema harmonia e equilíbrio. E o reconhecimento também é uma extensão ao excelente trabalho que o pecuarista vem realizando de manejo, alimentação, saúde e genética”, pontua. 

A “Ruivinha”, como é carinhosamente chamada, é criada pela família Elgersma, de Arapoti, município localizado nos Campos Gerais do Paraná. A vaca holandesa, de 6 anos de idade, está em seu 5º parto e produz em torno de 60 litros de leite por dia. 

Segundo o produtor Ronald Elgersma, o animal recebe banho diariamente, é criado em baia separada, em um espaço com temperatura adequada para o seu bem-estar. “O trabalho mais empenhado no manejo começou cedo, porque ela vem de uma família consagrada e se mostrou um bom animal desde o seu primeiro parto, foi sempre bem classificada e, agora, estamos muito contentes por ter atingido a pontuação máxima”, comenta. 

Premiação

Recentemente, todos os membros da família, incluindo o pai Pedro Elgersma e os filhos Ronald e Nico, foram recepcionados em um evento de solenidade na matriz da Capal Cooperativa Agroindustrial, onde são cooperados. “É uma honra muito grande receber este reconhecimento e poder abrir a porteira para outros criadores do nosso País”, comemora Ronald.

No ato, estiveram presentes os diretores da CAPAL, autoridades políticas e representantes da ABCBRH. 

A honraria foi entregue pelo secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortiguara. “Receber este prêmio inédito é um orgulho para a família, para Arapoti e para o Estado do Paraná, que é o segundo maior produtor de leite do País. Esta é uma comprovação de que estamos evoluindo geneticamente, sanitariamente e na qualidade do leite.”

Excelência em produção leiteira 

Quando o assunto é qualidade e produtividade, a CAPAL é referência. Quatro cooperados foram listados entre os maiores produtores de leite do Brasil em um levantamento realizado pela MilkPoint, referente ao ano de 2020. São eles: William Ferdinand van der Goot, Jan e Marika Salomons, Marius Cornelis Bronkhorst e Wilko Laurens Verburg. 

O documento ainda sublinha a região dos Campos Gerais do Paraná como uma das mais importantes bacias leiteiras do Brasil e destaca que as quatro propriedades de Arapoti ranqueadas produziram 27,44 milhões de litros de leite em 2020, o que representa 3,25% da produção total das fazendas presentes no levantamento.

Sobre a Capal Cooperativa Agroindustrial

Fundada em 1960, a CAPAL conta atualmente com mais de 3,3 mil associados, distribuídos em 21 unidades de negócios, nos estados do Paraná e São Paulo. A cadeia agrícola responde por cerca de 65% das operações da cooperativa, produzindo mais de 750 mil toneladas de grãos por ano, com destaque para soja, trigo, milho e café. A área agrícola assistida ultrapassa os 153 mil hectares. O volume de leite negociado mensalmente é de 12 milhões de litros, proveniente de 320 produtores. Além disso, a cooperativa comercializa mais de 31 mil toneladas de suínos vivos.

Da assessoria.


PUBLICIDADE

Recomendados