PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Digital Agro evidencia a evolução do setor em âmbito mundial

Agronegócio

16 de julho de 2021 19:14

Fernando Rogala


Relacionadas

Melhores práticas do agro no Paraná serão reconhecidas

Cidades da região lideram na produção agrícola nacional

Capal anuncia os vencedores do Prêmio Leite de Qualidade

Região sofre com perdas agrícolas na crise hídrica
Agroleite 2022 ocorrerá entre os dias 9 e 13 de agosto
Preços da soja ao produtor sobem 155% em 5 anos
IBGE prevê safra recorde de 256 milhões de toneladas
Luis Henrique Penckowski, gerente técnico da Fundação ABC, apresentou as tecnologias sigmaABC e Smart Farming Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Palestrantes analisaram cenário de desenvolvimento do setor e as expectativas para atender demandas do planeta


A Digital Agro virtual conseguiu alcançar diversos públicos, contemplando o cenário agropecuário mundial e como a inovação é uma fundamental ferramenta para a produção de alimentos com qualidade, produtividade e custos mais reduzidos. A Digital Agro 2021 é organizada pela Frísia Cooperativa Agroindustrial, que investe constantemente em inovação aos seus cooperados e colaboradores. A feira tem o apoio técnico da Fundação ABC e do governo do Estado do Paraná.

Com a moderação do especialista em gestão Marcelo Prado, o segundo dia da Digital Agro apresentou a diversificação do agronegócio e a evolução do setor ao longo das safras. Os palestrantes reforçaram a importância do investimento em tecnologia e inovação para alcançar os patamares esperados pelo mundo no atendimento à produção de alimentos.

A temática “Tecnologia para a Produção Sustentável” teve a abertura dos trabalhos por Gustavo Spadotti, engenheiro agrônomo e supervisor da Embrapa Territorial. Spadotti explicou o passado, o presente e o futuro do agro de forma sustentável, com uma linha do tempo da evolução do setor. O passado foi o investimento do governo em buscar soluções para a ampliação da produção; o presente com melhorias em infraestrutura, transporte e eficiência; já o futuro com a elevação da produtividade e a constante busca pela redução do custo pós-porteira.

Em seguida, o diretor-geral na Copel Mercado Livre, Franklin Miguel, compatilhou com o público a experiência da companhia na produção de energia sustentável. A Copel é a maior comercializadora de energia do Brasil, País que tem somente 12% de sua matriz sendo fóssil. Mais de 60% é formada por hidrelétrica.

Paulo Herrmann, presidente da John Deere Brasil, destacou o ótimo momento do agro, fato sem precedentes, com grande aporte em tecnologia e recursos. Além disso, elogiou os avanços na infraestrutura pelo governo federal, o que está gerando uma redução dos custos em logística.

Já Fábio Passos, head da área de Carbon Venture da Bayer na América Latina, destacou o Climate FieldView, plataforma de agricultura digital que auxilia no gerenciamento para a safra.


40 em 10

A temática “O futuro da gestão no agronegócio” teve a apresentação da InVivo, maior cooperativa da França. Diretor de Desenvolvimento de Negócios, Thomas Voisin explicou que a InVivo tem 192 cooperativas membros e faturamento ano de US$ 6 bilhões. Ele conta que a cooperativa auxilia os produtores em toda a etapa, até o consumidor final.

Luis Henrique Penckowski, gerente técnico da Fundação ABC, contou a história da fundação – que tem como mantenedoras as cooperativas Frísia, Castrolanda e Capal – e apresentou as tecnologias sigmaABC e Smart Farming. A primeira é uma plataforma que apresenta ao cooperado todo o sistema de gestão da propriedade, planejamento da safra, clima, manejo integrado de pragas e uma série de ações e possibilidades. Já o Smart Farming é um projeto que visa integrar o sistema de informação de gestão, agricultura de precisão e automação agrícola e robótica. Em seguida, Bernardo Maestrini, pesquisador na Wageningen University and Research, tratou do uso do Big Data na produção de alimentos.

Lucas Marcolin, gerente comercial de produtos digitais da BASF e head de operações comerciais do Xarvio, apresentou a plataforma ao público. O Xarvio é uma tecnologia que oferece recomendações agronômicas por talhão, com algoritimos, para tornar a produção mais eficiente. Já Abdalah Novaes, líder de Climate Corporation da Bayer, destacou mais informações sobre a plataforma Climate FieldView, que se guia pelos pilares inovação, transformação digital e sustentabilidade.

A esperada palestra do ex-ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, um dos principais nomes do agronegócio brasileiro, destacou que o mundo espera pelo crescimento do Brasil na produção de alimentos, e que o País certamente alcançará isso, pois tem à disposição mão de obra qualificada, áreas e tecnologia. A expectativa, segundo o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, é que o Brasil cresça 40% em produção de alimentos nos próximos dez anos.

Esse crescimento é revertido em riquezas ao País, já que, em 2020, o agro foi responsável por 27% do Produto Interno Bruto nacional. Rodrigues destacou ainda que há a existência do “novo agronegócio”, que consiste na integração da área rural com a urbana, desenvolvimento de novos sistemas integrados de produção e comercialização, novas oportunidades de emprego e o mundo cada vez mais conectado, com o consumidor no centro das decisões.

Os consumidores foram o foco do terceiro dia da Digital Agro, mediada na parte a manhã pelo superintendente da Alegra Foods, Matthias Tigges, e à tarde pelo especialista de tecnologia Alex Foessel.

A temática “O futuro dos alimentos” foi iniciada por Geraldo Maia, cofundador da Pink Farms, a maior fazenda vertical urbana da América Latina, localizada em São Paulo. Maia tratou da inovação e como a forma de produzir alimento está sendo transformada. Marco Antonio Trindade, doutor em Tecnologia de Alimentos, apresentou as tendências dos produtos cárneos, com o foco na produção mais saudável.

Ao fim da manhã, foi a vez de Rob Trice, sócio-fundador da Better Food Ventures e The Mixing Bowl. Trice fez uma ampla análise sobre a mudança de alimentação mundial. Ele destacou que há uma democratização da economia, que está deixando “tudo mais rápido, barato e fácil”.

Trice destaca também a mudança climática, que gera perdas e oportunidades aos produtores. Por exemplo, há plantação de café no sul da Califórnia, além de, em algumas regiões norte-americanas, ter duas safras ao ano. Entretanto, reforça, se a temperatura no mundo chegar a 2 graus, haverá muita perda em produtividade e espécies vegetais e de insetos. Trice afirma que a próxima década o desafio é limitar o aumento da temperatura em 1,5 grau.


Novas tecnologias

A abertura da temática “AgroInnovation” contou com o especialista em Tecnologia Alex Foessel. A palestra inicial foi de Fabio Teixeira, CEO Hypercubes, empresa fundada no Vale do Silício, na Califórnia. Teixeira disse que a companhia evoluiu, sendo interessado em uma agricultura disruptiva, com sustentabilidade comercial e ambiental. O CEO da Hypercubes destacou que haverá uma evolução do agro, inclusive com o trabalho da empresa na produção de alimentos em diversos ambientes. Ele destaca que se deve ter um olhar mais olistico para a agricultura.

Vice-presidente de Estratégia e Inovação do Bremer Bank, Melissa Carmichael fez uma apresentação sobre as iniciativas que realizam eficientes solução ao agronegócio no mundo. Com isso, os players garantem mais automação, inovação e resultados de alta qualidade.

Com a palestra “A fazenda autônoma”, Jonathan Gill apresentou seu case de uma propriedade totalmente informatizada, do plantio a colheita. O processo deu tão certo que saltou de um para 35 hectares de produção.

Na noite do terceiro dia foi a vez de Michael Horsch, sócio-fundador HORSCH, fabricante alemã de máquinas agrícolas. Na ocasião, ele destacou o “Green Deal 2050”, grande acordo europeu para, entre outros pontos, neutralizar o CO², reduzir em 50% o uso de insumos químicos e em 20% em fertilizantes químicos.

Horsch destacou que a tendência é ocorrer uma economia circular, com durabilidade maior dos produtos e fabricação com itens que podem ser reciclados. O fundador da companhia disse ainda que o Brasil precisa “falar mais, se comunicar melhor com relação a produção de alimentos”, já que o País é referência na produção de alimentos usando produtos biológicos, com menos impacto ao meio ambiente, e não somente químicos. “A agricultura nunca foi tão interessante quanto hoje”, destacou.


Pecuária

A temática “Pecuária 4.0” fechou a Digital Agro 2021. O assunto é central para a cadeia produtiva nacional e anualmente é tratado pela ExpoFrísia, feira da pecuária leiteira desenvolvida pela Frísia.

Mediado por Silvio Bona, da Fundação ABC, a temática contou com a participação de Carlos Saviani, responsável pelo desenvolvimento e implementação da estratégia global de nutrição animal e sustentabilidade da saúde DSM. Na ocasião, tratou da sustentabilidade no segmento e o impacto na produção de alimentos.

Em seguida, Jayme Lima, diretor de Estratégia e Inovação da MSD Saúde Animal no Brasil, fez uma apresentação sobre a importância da inovação no segmento. Ele destaca que inovação é fazer algo diferente que gere um resultado melhor. Nesse sentido, destaca, não é produzir tecnologia, mas, sim, criar valor.

Já o consultor Alexandre Mendonça de Barros,  da MB Agro Consultoria, fez uma análise do cenário macro e do agronegócio mundial. Barros destacou que o Produto Interno Bruto global está em franca recuperação, conforme aponta o Banco Mundial, com o crescimento dos Estados Unidos em 2021 chegando a 6,8% e a China, 8,5%, comparado ao ano anterior. O Brasil tende a alcançar 4,5%. Barros afirmou que há muito tempo não via um cenário como o atual para a soja, com estoques baixos, grande demanda e queda da exportação norte-americana.

Ao fim, a Digital Agro deste ano tratou das startups e agritech, que estão gerando uma revolução no agro. Francisco Jardim, co-fundador da SP Venture, tratou o que ele citou como a quarta revolução agrícola, com oportunidades e ameaças. Em seguida, o Head Comercial da Supercampo, Rafael Gehlen, apresentou o marketplace formado por 12 cooperativas de produção e alcance a 80 mil cooperados no Brasil.

Na mesa redonda da tarde, Fabio Solano, analista de Estratégia e Inovação da Frísia, conversou com as startups Agrimates, Mush, St-One, NeoSilos e Tarvos, que foram as vencedoras do Digital Agro Connection 2020.

Também foi realizado o pitch (apresentação das soluções) das startups Getter, Sensix, Ubivis, Agrothings e Agripad, que são as finalistas da edição deste ano da Digital Agro Connection. O debate final do evento contou com a moderação da jornalista Kellen Severo e participação de Marcelo Prado, Alexandre Mendonça de Barros e Alex Foessel.


Conteúdo está disponível até agosto

Todo o conteúdo do evento ficará disponível online na plataforma do evento (https://evento.digitalagro.com.br/) para que os inscritos possam assistir até o dia 15/08. Ingressos ainda poderão ser adquiridos para assistir ao conteúdo gravado a um preço promocional de R$ 75,00.

 
As informações são da assessoria de imprensa


PUBLICIDADE

Recomendados