Gilmar restabelece máscaras em prisões e suspende vetos

Cotidiano

04 de agosto de 2020 10:40

Da Redação


Relacionadas

Média de mortes por covid-19 no Brasil cai 10,35%

Termina hoje prazo para pedir registro de candidatura

Acumulada, Mega-Sena deve pagar R$ 50 mi neste sábado

Brasil ultrapassa as 140 mil mortes por covid-19
Zero Resíduos expande operações para cidade de Guarapuava
Cerâmicas italianas são estrelas de nova campanha do Muffato
HGU adota protocolo para retomar cirurgias
Apesar de não suspender todos os vetos decretados pelo presidente, o ministro pontuou que os trechos vetados eram meramente expletivos. Foto: Reprodução/Agência Brasil
PUBLICIDADE

A decisão liminar foi tomada em ação apresentada pelo PDT e Rede Sustentabilidade contra série de vetos do presidente

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu dois vetos do presidente da República, Jair Bolsonaro, na lei que prevê a obrigatoriedade do uso de máscaras em espaços e locais públicos durante a pandemia do novo coronavírus. Com a medida, retornam a ser lei o uso do equipamento em prisões e centros socioeducativos e a presença de cartazes informativos sobre uso correto das máscaras dentro de estabelecimentos.

A decisão liminar foi tomada em ação apresentada pelo PDT e Rede Sustentabilidade contra série de vetos do presidente, que retirou a obrigatoriedade de máscaras em espaços como, entre outros, comércios, indústrias, templos e escolas.

Apesar de não suspender todos os vetos decretados pelo presidente, o ministro pontuou que os trechos vetados eram meramente expletivos, ou seja, apenas reforçavam os locais onde a máscara era obrigatória. A presença do termo "espaços públicos e privados acessíveis ao público", que foi mantida na lei, garante a obrigatoriedade do uso do equipamento nestes ambientes.

O ministro suspendeu somente dois vetos que foram "republicados" pelo Planalto - ou seja, após a sanção presidencial. Esses dois pontos tratavam especificamente do uso de máscaras em unidades prisionais e a fixação de cartazes em estabelecimentos comerciais sobre o uso do equipamento de proteção.

Segundo Gilmar, a "inusitada situação" de vetos serem republicados pelo governo após sanção "gera forte insegurança jurídica". "Dificulta até mesmo a identificação de qual é o direito vigente", afirmou.

O ministro destacou relatório do Conselho Nacional de Justiça, que registrou aumento de 83,5% de casos confirmados de covid-19 em presídios brasileiros entre 29 de junho a 29 de julho deste ano.

O número de óbitos nestas unidades subiu 22%, atingindo 139 mortes.

Informações Bem Paraná/Estadão Conteúdo

PUBLICIDADE

Recomendados