Petrobras assina acordo para compra da plataforma P-71

Cotidiano

28 de outubro de 2020 12:40

Agência Brasil


Relacionadas

Veja lista de todos os prefeitos eleitos no 2º turno

Bruno Covas vence em SP e Eduardo Paes é eleito no RJ

Ninguém acerta a Mega-Sena e prêmio vai a R$ 7 milhões

TSE: urnas substituídas no segundo turno chegam a 368
Número de trabalhadores empregados sobe em outubro
Eleições já resultaram em 53 prisões, diz ministério
TSE não cobra multa de quem justifica ausência pelo e-Título
O acordo de compra está sujeito a condições precedentes relacionadas a marcos no avanço físico da unidade. Foto: Reprodução/Agência Brasil
PUBLICIDADE

Em nota, a Petrobras informou que a  P-71, que está em fase final de construção no Estaleiro Jurong, no Espírito Santo

A Petrobras assinou, com seus parceiros no Consórcio BM-S-11, Shell Brasil Petróleo Ltda (25%) e Petrogal Brasil S.A. (10%), compromisso de compra da plataforma P-71. O valor, de US$ 353 milhões, corresponde à parcela dos sócios na plataforma.

O acordo de compra está sujeito a condições precedentes relacionadas a marcos no avanço físico da unidade. Também foi acordada a elaboração de um novo plano de desenvolvimento (PD) para o campo de Tupi, onde o FPSO (unidade flutuante de armazenamento e transferência) seria originalmente utilizado.

Em nota, a Petrobras informou que a  P-71, que está em fase final de construção no Estaleiro Jurong, no Espírito Santo, tem capacidade de produção de 150 mil barris de petróleo por dia (bpd) e será alocada no campo de Itapu.

A companhia explicou que, após o leilão do excedente da cessão onerosa, ocorrido em novembro de 2019, os direitos de produção do campo de Itaipu passaram a ser detidos integralmente pela Petrobras e que a alocação do FPSO P-71, no campo permitirá a antecipação do primeiro óleo em cerca de um ano.

Com o compromisso de venda da P-71, sujeito às condições precedentes, os sócios do Consórcio BM-S-11 no Brasil acordaram em elaborar um novo PD para Tupi, antigo campo de Lula, a ser entregue para a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis  (ANP) em 2021.

“Tal iniciativa busca implantar projetos complementares de desenvolvimento da produção resilientes a baixos preços de petróleo, permitindo aumentar ainda mais o fator de recuperação do campo, que é atualmente o maior produtor mundial em águas profundas e cuja produção acumulada já ultrapassou 2 bilhões de barris de óleo equivalente (boe)”, informou a Petrobras.

PUBLICIDADE

Recomendados