PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Petrobras assina acordo para compra da plataforma P-71

Cotidiano

28 de outubro de 2020 12:40

Agência Brasil


Relacionadas

Projeto prorroga contratos de estágio na pandemia

Presidente e vice definem continuidade da CPI da Covid

Senai e Klabin fazem pesquisa sobre embalagem inteligente

DAF anuncia novo diretor de Tecnologia da Informação
Governador autoriza construção da Cadeia Pública de Arapongas
Bolsonaro ameaça desistir das eleições para presidente
PRF salva mulher com epilepsia no Paraná
O acordo de compra está sujeito a condições precedentes relacionadas a marcos no avanço físico da unidade. Foto: Reprodução/Agência Brasil
PUBLICIDADE

Em nota, a Petrobras informou que a  P-71, que está em fase final de construção no Estaleiro Jurong, no Espírito Santo

A Petrobras assinou, com seus parceiros no Consórcio BM-S-11, Shell Brasil Petróleo Ltda (25%) e Petrogal Brasil S.A. (10%), compromisso de compra da plataforma P-71. O valor, de US$ 353 milhões, corresponde à parcela dos sócios na plataforma.

O acordo de compra está sujeito a condições precedentes relacionadas a marcos no avanço físico da unidade. Também foi acordada a elaboração de um novo plano de desenvolvimento (PD) para o campo de Tupi, onde o FPSO (unidade flutuante de armazenamento e transferência) seria originalmente utilizado.

Em nota, a Petrobras informou que a  P-71, que está em fase final de construção no Estaleiro Jurong, no Espírito Santo, tem capacidade de produção de 150 mil barris de petróleo por dia (bpd) e será alocada no campo de Itapu.

A companhia explicou que, após o leilão do excedente da cessão onerosa, ocorrido em novembro de 2019, os direitos de produção do campo de Itaipu passaram a ser detidos integralmente pela Petrobras e que a alocação do FPSO P-71, no campo permitirá a antecipação do primeiro óleo em cerca de um ano.

Com o compromisso de venda da P-71, sujeito às condições precedentes, os sócios do Consórcio BM-S-11 no Brasil acordaram em elaborar um novo PD para Tupi, antigo campo de Lula, a ser entregue para a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis  (ANP) em 2021.

“Tal iniciativa busca implantar projetos complementares de desenvolvimento da produção resilientes a baixos preços de petróleo, permitindo aumentar ainda mais o fator de recuperação do campo, que é atualmente o maior produtor mundial em águas profundas e cuja produção acumulada já ultrapassou 2 bilhões de barris de óleo equivalente (boe)”, informou a Petrobras.

PUBLICIDADE

Recomendados