Co-autor da morte de Micheli dá detalhes do crime

Ponta Grossa

06 de novembro de 2019 10:15

Afonso Verner


Relacionadas

Aliel se posiciona a favor de prisão em 2ª instância

Ponta Grossa recebe 3ª edição do Super Síndico

KNN aposta em metodologia moderna de estudo em PG

Retração na taxa de juros favorece mercado imobiliário
Faculdade Sant’Ana realiza vestibular em dezembro
Feriadão começa violento com morte em bairro de PG
Veja os destaques desta quinta no Portal aRede
PUBLICIDADE

Wesley da Silva Bueno confessa que usou dinheiro ganho no crime para comprar um cavalo. “Não desejo o que ela passou pra ninguém”, disse

A Polícia Civil prendeu na noite desta terça-feira (5), em Ponta Grossa, o jovem Wesley da Silva Bueno, 22 anos. Ele é co-autor da morte da psicóloga Micheli Kobelnik, registrada em Ivaí, município na região dos Campos Gerais. As investigações mostraram que Wesley foi contratado pelo ex-marido de Micheli, Andre Luis Perrinchelli Cavalheiro, por R$ 1,2 mil para participar do crime - Andre foi encontrado morto após o crime

Na delegacia, Wesley deu detalhes do assassinato - o feminicídio teve requintes de crueldade e chocou até mesmo as autoridades.  Ao conceder entrevista, Wesley confessa participação no assassinato (veja no player acima), mas diz que inicialmente foi até o local apenas para “cuidar da criança”. “Eu conheci o André em um trailer de lanche. Ele me disse que tinha um serviço pra mim e me ofereceu R$ 1,2 mil, mais um celular”, disse. O rapaz falou que só “soube do que se tratava” o serviço quando chegou na casa do casal, em Ivaí.

Wesley contou que André o buscou em casa, na região de Uvaranas em Ponta Grossa, e disse que aceitou participar do crime porque seu filho estaria doente e ele precisaria de dinheiro. “Ele [André] me pediu para cuidar da criança. Não vi a Micheli ser morta, quando ele começou a jogar ácido nela, eu peguei a criança e sai do local. Ela [Micheli] estava amarrada com uma fita e quando ele [André] jogou ácido, ela foi pra cima dele”, afirmou.

Ao dar detalhes do crime, Wesley disse que, no momento que Micheli pedia socorro, correu com a criança, filha do casal, para o carro. “Ela [criança] chorava muito e eu dava mamá para ver se ela se acalmava”, contou o co-autor. Questionado sobre como encarava a situação, Wesley se disse arrependido. “Isso abala a gente né. Eu contei pra minha mãe, ela mandou eu me entregar”, afirmou. 

Logo após o crime, Wesley e Andre teriam fugido de Ivaí para Ponta Grossa e deixado a criança na casa de uma tia do casal. 

Uso do dinheiro do crime

Com o dinheiro do crime, Wesley afirmou ter comprado uma égua para o filho e diz ainda que vendeu o celular de André, dado como parte do pagamento, por R$ 100. Ao contrário do que divulgado anteriormente, Wesley teria passagem por descaminho e contrabando de cigarros. “Não desejo o que ele [André] fez pra ela [Micheli] pra ninguém”, disse o rapaz ainda na delegacia. 

Homicídio triplamente qualificado

Segundo o delegado Luiz Gustavo Timossi, responsável pelas investigações, Wesley deverá ser indiciado por homicídio triplamente qualificado. Desde que o crime foi descoberto, a Polícia já apurava a participação de mais uma pessoa no assassinato.

PUBLICIDADE

Recomendados

IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização
aRede aRede
aRede
aRede