Família denuncia agressões em restaurante de PG

Ponta Grossa

30 de junho de 2020 11:33

Da Redação


Relacionadas

Homem vai atender portão e leva cinco tiros em PG

Prefeita eleita de PG terá vários desafios a serem superados

Professora Elizabeth destaca ampla experiência na vida pública em PG

Mabel Canto busca consolidação da campanha focada nos bairros
JM e aRede se destacam na cobertura das eleições
UEPG licita substituição de esquadrias do campus central
Eduardo Farias destaca ações inovadoras na cobertura eleitoral
Maria Luiza Fagundes usou as redes sociais para denunciar os fatos Foto: Reprodução Facebook
PUBLICIDADE

Caso aconteceu no restaurante Villa Família Mikulis. Polícia registrou ocorrência para instauração de inquérito. Funcionário de restaurante apresenta alegações

A história que está repercutindo nas redes sociais, veio à tona após a jovem Maria Luiza Fagundes, publicar em seu perfil no Facebook, um vídeo onde relata a forma trágica que terminou o jantar da família na última sexta (26). De acordo com Maria, ela e mais quatro familiares, foram até o renomado restaurante Villa Família Mikulis para jantarem, mas o programam terminou em uma grande confusão.

No vídeo que já teve mais 1,5 mil compartilhamentos e centenas comentários, Maria Luiza conta que o alvoroço teve início quando seu irmão, de 17 anos, confidenciou a um garçom que tinha havia sido infectado pelo coronavírus. A partir daí a situação ficou fora de controle, com agressões verbais e até físicas, partindo, segundo a jovem, de um dos funcionários do estabelecimento.

Neste vídeo de aproximadamente 12 minutos, Maria Luiza diz que os policiais chegaram, pegaram os nomes deles e os levaram à delegacia (13ª SDP). “Eu, meus pais, irmão e primo fomos no carro da minha mãe, enquanto meu tio ficou no hotel, e chegamos lá antes das viaturas, sendo que pouco depois estas chegaram. Lá ficamos das 22:50 (quase 23hrs) até as 1:30 da manhã, foi feito boletim de ocorrência registrando as três agressões em meu pai, irmão e primo. Nesse meio tempo o advogado da empresa chegou e conversou conosco, saindo e voltando da sala onde estávamos minha família e 2 policiais, para ver os proprietários que nos agrediram e humilharam, que estavam na outra sala. Fomos liberados para sermos ouvidos posteriormente, levando em consideração a pandemia que compromete o número do pessoal”., diz.

Veja vídeo publicado por Maria Luiza em rede social

PUBLICIDADE

Recomendados