PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Uso do ‘Kit-covid’ é aprovado pela Câmara de PG

Ponta Grossa

19 de abril de 2021 16:40

Rodolpho Bowens


Relacionadas

Rotary Lagoa Dourada Open de Tênis reúne 200 participantes

Pavimentações avançam em bairros de PG

IMM tem consolidação nacional em Justiça Restaurativa

Reajuste da tarifa deve ser apresentado depois do feriado
Saldo do emprego em PG é positivo pelo 5º mês seguido
Polícia Civil e GM prendem tutor por maus-tratos em PG
Justiça de PG condena homem a 2 anos de prisão
Maioria dos vereadores aprovaram o PL nesta segunda-feira (19). Foto: Luiz Lacerda/CMPG
PUBLICIDADE

Agora, o projeto de lei segue para sanção ou veto da Prefeitura Municipal de Ponta Grossa

A Câmara Municipal de Ponta Grossa (CMPG) aprovou em segunda discussão, na tarde desta segunda-feira (19), o Projeto de Lei (PL) 035/2021, o qual fala sobre a distribuição de medicamentos no chamado ‘kit-covid’ para um possível tratamento precoce do coronavírus. Com a aprovação, o PL segue para publicação ou veto da Prefeitura Municipal de Ponta Grossa (PMPG). Na semana passada, os parlamentares já haviam sido favoráveis a proposta, com 12 votos a favor e cinco contra.

Durante as discussões, os vereadores puderam expor as suas ideias, bem como defender ou contrariar o projeto de lei. Segundo Geraldo Stocco Filho (PSB), a proposta é vendida “como ilusão. É um projeto irresponsável”, disse na ‘Sessão Ordinária’. Ele também lembrou que os médicos já têm autonomia para prescrever os remédios para os pacientes.

Por outro lado, o parlamentar Leandro Bianco (Republicanos), um dos autores do PL, comentou que “precisamos dar esperança para as pessoas. Não estamos negando a doença... Para que as pessoas tenham uma oportunidade à vida”, enfatizou, ao criticar a mídia brasileira, afirmando ela ser “suja”.

Por fim, o vereador Erick Camargo (PSDB), conhecido como ‘Dr. Erick’ e que não esteve presente na primeira discussão, afirmou que os médicos já têm autonomia na prescrição de medicamentos e defendeu que “até que ponto a Legislatura deve interferir na Ciência. Se algo deve ser feito, é a Secretaria de Saúde, não a Câmara de Ponta Grossa”, explicou o parlamentar, que tem o receio de as pessoas chegarem com a Lei em mãos, caso seja publicada e exijam que elas tomem os remédios.

PUBLICIDADE

Recomendados