Oito dicas para sua vida online não te prejudicar no mercado de trabalho

Comportamento

10 de abril de 2015 15:39

aRede


Relacionadas

Como não deixar os preparativos do casamento virarem motivo de brigas

Quatro formas para sobrar mais dinheiro e conquistar o que deseja

Criados-mudos quebram padrões em ambientes

Puxadores vintage ganham destaque
Ladrilho hidráulico vira tendência
Aprenda a abrir os chacras
Cinco fatores que podem provocar dor para a mulher na relação sexual
PUBLICIDADE

Dados de uma série de pesquisas encomendadas pelo Google e divulgadas em agosto de 2014 revelam o número de brasileiros conectados era de 74% entre a população de 16 a 49 anos, das classes A, B e C. Os estudos concluíram que mais de 40 milhões de usuários no país utilizam três ou mais telas em sua rotina (smartphones, smart TVs, tabletes, desktops, notebooks).

Com o acesso mais democrático à internet e mais usuários acessando dispositivos móveis, o número de pessoas que se conecta a redes sociais no ambiente de trabalho só aumenta, ainda que as empresas tenham uma política que proíba o acesso tradicional, nos computadores corporativos.

Nesta nova cultura de exposição pública da vida pessoal e profissional não faltam histórias de pessoas que foram prejudicadas em seus empregos por não entenderem que a fronteira entre o que se escreve em um perfil pessoal e sua carreira está cada vez mais tênue.

No mês de fevereiro a adolescente americana identificada como Cella, no Twitter, ganhou fama ao ser demitida através da rede social. A jovem que conseguiu um emprego em uma pizzaria na cidade de Mansfield, no Texas, escreveu em seu perfil: "Começo nesse trabalho de m* amanhã", na véspera de seu primeiro dia.

Avisado da publicação por outro funcionário, o dono da pizzaria respondeu na própria rede social: "E... não, você não começa nesse trabalho de m* hoje! Eu acabo de te demitir! Boa sorte na sua vida sem dinheiro e sem emprego!", dizia o tweet.

Em junho de 2014, a Justiça do Trabalho de São Paulo considerou válida a decisão de uma concessionária de motos do interior do Estado de demitir por justa causa um funcionário por ele ter "curtido" no Facebook posts que ofendiam a empresa e sua sócia. A juíza relatora do caso escreveu em sua decisão que "O fato é grave, posto que se sabe o alcance das redes sociais, isso sem contar que o recorrente confirma que outros funcionários da empresa também eram seus amigos no Facebook".

Renato Mendes, consultor de carreiras da plataforma de triagem Job1 explica que as publicações nas redes sociais afetam o ambiente profissional: "Não existe um manual de conduta em redes sociais, mas o profissional deve, antes de publicar uma mensagem no Facebook, Twitter ou qualquer outra rede, pensar se de fato expressaria esta opinião no corredor da empresa em alto e bom som, para qualquer pessoa ouvir. Se a resposta for não, é possível que a mensagem não deva ser publicada”, afirma.

Para não errar na hora de usar as redes sociais e não colocar o emprego em risco, o consultor de carreiras da Job1 traz oito dicas simples de etiqueta on line:

 

  1. Rede Social não é lugar para resolver problemas


Se estiver com um problema no trabalho, não espalhe nas redes sociais. Quem tem este tipo de atitude demonstra que não tem maturidade para resolver suas questões profissionais.

  1. Escolha bem suas palavras


Muitos problemas podem começar na escolha inadequada das palavras em uma mensagem online. Evite que seus posts tenham um tom indelicado ou irritado.

  1. Nunca poste assuntos sigilosos ou estratégicos da empresa


Postar dicas ou indícios de informações estratégicas ou novos projetos que ainda não foram lançados no mercado pode alertar concorrentes e colocar em risco o projeto e até mesmo seu emprego.

  1. Aprenda a dosar o uso das redes sociais durante o expediente


Mesmo que as redes sociais sejam permitidas na empresa, o indicado é que nada seja postado durante o expediente. Certas postagens podem passar a impressão de que o funcionário está se divertindo ao invés de trabalhar.

  1. Seja discreto


Evite os posts abertos para comentar ou repercutir polêmicas. Opte sempre por uma conversa particular para evitar a exposição de seus problemas ou pontos de vista que podem gerar controvérsias. Isso não significa ter que abrir mão de sua identidade. Emitir opiniões maduras e bem embasadas a respeito de um assunto que diz respeito à empresa pode ser bem interpretado. A chave nestes momentos é ter bom senso.

  1. Cuidado com suas fotos


Evite publicar fotos íntimas ou sensuais. Até mesmo as fotos de roupa de banho como biquíni para as mulheres e sem camisa para os homens devem ser evitadas se você tem algum colega de trabalho em sua rede de contatos ou pretende vir a ter. Preserve sua imagem profissional.

  1. Não reclame publicamente


Comentários como “Esta semana não acaba” ou “Feriado chega logo” passam a impressão de que você não está satisfeito com seu trabalho e podem ser mal interpretados pelos chefes. Por mais cansativa e estressante que tenha sido sua semana, as redes sociais não são o melhor lugar para desabafar.

  1. Antes de publicar revise, revise e revise


Quer compartilhar uma notícia? Cheque se ela é verdadeira e se a fonte é confiável. Distribuir informações falsas ou incorretas na rede social podem passar uma péssima impressão.

Não deixe de verificar se tudo está escrito de forma correta, sem erros de português e, na dúvida, consulte um dicionário. É melhor revisar do que compartilhar algum erro que traga constrangimento futuro.

E, por fim, questione-se: Este conteúdo é realmente relevante para sua rede de contatos? Ele contribui para uma boa imagem pessoal e profissional? Se as respostas forem sim, revise tudo e publique.

Renato Mendes conclui: “Ainda que o funcionário não tenha nenhum superior na sua rede de amigos, o mundo virtual encurta espaços e é sempre possível que hajam conexões em comum. Meu conselho é sempre agir com cautela. O bom senso é sempre uma ótima opção" diz.

Informações da assessoria.

PUBLICIDADE

Recomendados